Trump acaba com grupos de conselheiros de empresários

Saídas por causa da forma como a Casa Branca reagiu aos confrontos em Charlottesville acabaram por ditar o fim destes organismos

Donald Trump decidiu, esta quarta-feira, acabar com dois grupos de conselheiros compostos por altos responsáveis corporativos e de empresas.

A decisão surge depois de oito empresários se terem demitido após as reações da Casa Branca aos violentos confrontos em Charlottesville, Virginia, que puseram novamente a tensão racial na ordem do dia nos EUA

As baixas mais recentes foram os CEO da Campbell Soup e da 3AM, que parecem ter sido a gota de água para Donald Trump.

Assim, o Manufacturing Council e o Strategy & Policy Forum foram encerrados.

"Ao invés de colocar pressão nas pessoas ligadas aos negócios que estão no Manufacturing Council e no Strategy & Policy Forum, vou acabar com ambos. Obrigado a todos", escreveu Trump no Twitter.

Vários empresários e pessoas ligadas ao mundo empresarial têm sido pressionados para se demarcar dos comentários e da reação de Donald Trump ao que se passou em Charlottesville.

O Presidente condenou os confrontos que aconteceram no fim de semana, dos quais resultou diretamente uma vítima mortal, durante uma marcha de supremacistas brancos, mas acabou por dividir também as culpas, questionando o papel daqueles que se manifestaram contra a marcha.

Já esta terça-feira, numa conferência de imprensa no lobby da Trump Tower, Donald Trump disse achar que "há culpa dos dois lados". "E então a alt-left [esquerda alternativa] que carregou, como vocês dizem, sobre a alt-right, têm algum tipo de culpa?"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.