Líbia: vala comum em cidade ocupada pelo "Estado Islâmico"

Tropas líbias encontraram cova na cidade costeira de Sirte, que era aparentemente usada para enterrar combatentes extremistas

As tropas líbias encontraram uma vala comum na cidade costeira de Sirte, aparentemente usada pelo grupo extremista autodenominado de Estado Islâmico para enterrar os seus combatentes durante a ocupação da cidade, informaram as autoridades daquele país, na quarta-feira.

De acordo com as autoridades da cidade, a vala comum foi encontrada numa área agrícola de Al Deheir, no oeste da cidade, com um total de 75 corpos em estado avançado de decomposição.

Ainda não há confirmação sobre a identidade dos mortos mas as forças líbias acreditam que se trata de combatentes do Estado Islâmico, já que esta área permaneceu durante muito tempo sob controlo destes extremistas islâmicos. Apesar da perda do bastião de Sirte, em dezembro de 2016, o EI continua ativo, sobretudo, no centro e no sul da Líbia.

A Líbia, onde autoridades políticas rivais e diversas milícias disputam o poder, está imersa no caos desde a queda do regime de Muammar Kadhafi, em outubro de 2011.

Duas autoridades disputam o controle do país: por um lado, o GNA instalado em Trípoli, reconhecido pela comunidade internacional. Do outro, um governo de facto que exerce seu poder no leste do país com o apoio do marechal Khalifa Haftar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.