Líbia: vala comum em cidade ocupada pelo "Estado Islâmico"

Tropas líbias encontraram cova na cidade costeira de Sirte, que era aparentemente usada para enterrar combatentes extremistas

As tropas líbias encontraram uma vala comum na cidade costeira de Sirte, aparentemente usada pelo grupo extremista autodenominado de Estado Islâmico para enterrar os seus combatentes durante a ocupação da cidade, informaram as autoridades daquele país, na quarta-feira.

De acordo com as autoridades da cidade, a vala comum foi encontrada numa área agrícola de Al Deheir, no oeste da cidade, com um total de 75 corpos em estado avançado de decomposição.

Ainda não há confirmação sobre a identidade dos mortos mas as forças líbias acreditam que se trata de combatentes do Estado Islâmico, já que esta área permaneceu durante muito tempo sob controlo destes extremistas islâmicos. Apesar da perda do bastião de Sirte, em dezembro de 2016, o EI continua ativo, sobretudo, no centro e no sul da Líbia.

A Líbia, onde autoridades políticas rivais e diversas milícias disputam o poder, está imersa no caos desde a queda do regime de Muammar Kadhafi, em outubro de 2011.

Duas autoridades disputam o controle do país: por um lado, o GNA instalado em Trípoli, reconhecido pela comunidade internacional. Do outro, um governo de facto que exerce seu poder no leste do país com o apoio do marechal Khalifa Haftar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.