Trocou de lugar com o irmão gémeo para fugir da prisão

Alexander Delgado disse à polícia que recorreu à troca porque estava "desesperado" para ver a mãe

As autoridades no Peru capturaram um prisioneiro mais de um ano depois deste ter escapado da prisão. Como? Trocando de lugar com o seu irmão gémeo.

Segundo a BBC, Alexander Delgado cumpria uma sentença de 16 anos por abuso sexual de crianças e roubo, numa prisão peruana. Aproveitou a visita do irmão gémeo Giancarlo, em janeiro passado, drogou-o, trocou de roupa com ele e saiu tranquilamente da prisão

A troca foi confirmada através da comparação das impressões digitais depois de Giancarlo ter dito que não era Alexander. Começou então à caça ao homem que só terminaria 13 meses depois.

Alexander Delgado acabou por ser preso esta segunda-feira na cidade portuária de Callao, depois do Ministério do Interior peruano ter oferecido uma recompensa por informações sobre o seu paradeiro, o que acabou por acontecer, levando à sua captura.

Devido ao risco de fuga, Delgado vai ser transferido para uma prisão de segurança máxima.

Enquanto estava em liberdade, o irmão gémeo esteve preso e foi investigado por suspeita de ter colaborado com Alexander para que este conseguisse fugir. Acabou por não ser acusado e foi libertado.

Aos jornalistas, e no momento da detenção, Alexander Delgado alegou que tinha fugido "porque estava desesperado para ver a minha mãe".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.