Tribunal italiano abre caminho a eleições antecipadas

Parte da lei eleitoral foi considerada inconstitucional e todos os partidos pedem agora que haja eleições já este ano

O tribunal constitucional de Itália rejeitou parte da lei eleitoral, conhecida como Italicum, que previa a realização de uma segunda volta nas eleições legislativas, decidindo que estas devem ter lugar em apenas uma volta. Mas manteve a cláusula que garante automaticamente a maioria parlamentar a qualquer partido que consiga 40% dos votos (segundo as sondagens, nenhum chega a esse valor).

Com esta decisão, está aberto o caminho para antecipar as eleições (previstas apenas para 2018) já para este ano. Tudo porque com este sistema será praticamente obrigatório haver um governo de coligação, algo que beneficiará os partidos tradicionais e penalizará a principal formação de oposição, o Movimento 5 Estrelas, que sempre recusou formar alianças.

O ex-primeiro-ministro Matteo Renzi, que lidera o Partido Democrático e se demitiu do governo depois de perder o referendo constitucional (que entre outras coisas retirava poder ao Senado), já disse querer voltar às urnas este ano. Mas o partido está dividido: o primeiro-ministro, Paolo Gentiloni, defende a conclusão da atual legislatura.

Minutos depois do veredicto do tribunal ser conhecido, também o Movimento 5 Estrelas (liderado pelo ex-humorista Beppe Grillo) pediu a realização imediata de eleições, dizendo que o seu objetivo é conseguir ganhar 40% dos votos (conseguindo assim a maioria suficiente para governar sozinho).

Já Matteo Salvini, líder da Liga Norte, escreveu no Twitter que "não há mais desculpas" para não antecipar as eleições.

Mas o presidente italiano, Sergio Matarella, também já disse que a decisão do tribunal se refere apenas à eleição dos deputados e que é preciso uma nova lei para eleger os senadores antes de poder convocar os italianos às urnas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.