Tribunal húngaro condena a 25 anos de prisão acusados da morte de 71 migrantes

Um tribunal da Hungria condenou, esta quinta-feira, a 25 anos de prisão quatro acusados da morte por asfixia de 71 migrantes encontrados num camião frigorífico abandonado numa estrada na Áustria em agosto de 2015.

Oriundos da Síria, Iraque e Afeganistão, os migrantes, quatro dos quais eram crianças, morreram asfixiados no compartimento estanque que os traficantes recusaram abrir.

Os corpos foram encontrados no interior do camião, proveniente da Hungria, abandonado numa autoestrada no leste da Áustria, perto da fronteira com a Hungria.

O Ministério Público tinha pedido prisão perpétua para os acusados, três búlgaros e um afegão.

O tribunal de Kecskemét considerou-os culpados de homicídio, agravado por organização criminosa. O juiz Janos Jadi disse que o líder do grupo foi considerado "culpado de homicídio cometido com cumplíces", refere a Reuters. Acabou condenado a 25 anos de prisão "como membro de um grupo de crime organizado", acrescentou o juíz numa sala esgotada, onde grande parte da assistência eram jornalistas.

A decisão é passível de recurso.

As mortes destes 59 homens, oito mulheres e quatro crianças foram o mais grave incidente deste género na rota dos Balcãs, usada por centenas de milhares de pessoas para fugir à pobreza e à guerra no Médio oriente, África e Ásia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).