Tribunal identifica principal suspeito de ataque terrorista em Turku

O suspeito tem 18 anos, chama-se Abderrahman Mechkah, e tinha pedido asilo no país

O tribunal de Turku, na Finlândia, anunciou que identificou Abderrahman Mechkah, de 18 anos, como o principal suspeito do ataque terrorista na sexta-feira, que fez dois mortos e oito feridos.

A polícia tinha informado anteriormente que o suspeito era um requerente de asilo marroquino que havia deliberadamente atacado mulheres em Turku, no sudoeste da Finlândia.

O tribunal não indicou a nacionalidade do suspeito.

As duas vítimas mortais são uma mulher de 67 anos e uma adolescente de 15, precisou a polícia, acrescentando que uma delas teve morte imediata e a outra sucumbiu aos ferimentos já no hospital.

No domingo, a polícia conseguiu interrogar o atacante, que ainda está hospitalizado, pois foi ferido na perna durante sua prisão, na sexta-feira à noite.

O atacante deveria ser apresentado a um juiz hoje, entretanto a audiência foi adiada para terça-feira e será realizada por videoconferência a partir do hospital, segundo o Escritório Nacional de Investigação (BNE), com vista à sua prisão preventiva.

As autoridades também prenderam quatro marroquinos ligados ao atacante, entre a noite de sexta-feira e sábado.

"Acredita-se que tenham participado nos assassínios e nas tentativas de assassínios cometidos com intenção terrorista. Eles negam qualquer envolvimento com os fatos", afirmou o BNE num comunicado, referindo que já pediu a prisão preventiva dos quatro homens.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.