Tribunal de segunda instância aumenta condenação de Lula

Pena passa a 12 anos e um mês de prisão. Juízes foram unânimes. Mesmo derrotado, o antigo presidente pode ainda recorrer.

Lula da Silva foi condenado em segunda instância no Caso Tríplex, desdobramento da Operação Lava-Jato, pelo colectivo de três juízes do Tribunal Regional de Porto Alegre. Os juízes João Pedro Gebran Neto, Leandro Paulsen e Victor Laus até agravaram a sentença de nove anos e meio de prisão decretada em primeira instância pelo juiz Sérgio Moro, condenando-o a 12 anos e um mês de prisão em regime fechado. O processo, no entanto, não morreu ontem porque cabem ainda recursos aos advogados do antigo presidente.

A Lei da Ficha Limpa, que impede condenados em segunda instância de concorrer a cargos públicos, prevê, um recurso chamado suspensão de inelegibilidade a ser avaliado pelo Supremo Tribunal Federal ou pelo Supremo Tribunal de Justiça. Concedida essa suspensão, Lula poderia participar nas presidenciais. Por outro lado, como a suspensão da candidatura não é automática, o pré-candidato pode optar por veredicto sobre a sua condição do Tribunal Superior Eleitoral até Setembro, já após o início da campanha.

Caso o processo continue a correr nos tribunais para lá de Outubro e Lula for o mais votado, o momento da entrega do diploma de presidente, em Dezembro, encerraria todas as pendências jurídicas. Mas se, por outro lado, os recursos forem rejeitados em tempo útil, Lula, 72 anos, pode acabar, de facto, inelegível e preso. O que mudaria o cenário político radicalmente, à esquerda, ao centro e à direita, uma vez que o velho sindicalista lidera em toda a linha as sondagens.

O antigo presidente, que só se manifestou após o fecho da edição, afirmara "estar tranquilo" antes do veredicto. "O que está acontecendo comigo é muito pouco perto do que estão fazendo com milhões de brasileiros, que vão ser massacrados pela reforma laboral e pela reforma da segurança social, porque vão mexer no salário do povo trabalhador, não no do desembargador ou do general" Enquanto isso, os membros do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, onde Lula iniciou a carreira, fizeram um abraço coletivo em torno da sua sede, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo.

Em paralelo, populares foram para as ruas festejar a condenação, com direito a CarnaLula, evento que antecipou o Carnaval, e a desfile de pixulecos, o boneco insuflável de Lula vestido de presidiário.

Houve apenas registo de incidentes ao longo da tarde na Paraíba, entre polícia e adeptos do antigo presidente.

A sessão começou com a manifestação de Maurício Gerum, procurador da República, que sublinhou a total independência da justiça em relação à política. "Não é um julgamento parlamentar, é técnico, as tropas de choque parlamentares e populares aqui não entram". Em seguida, Cristiano Zanin Martins, advogado de Lula, contrariou a versão do promotor e bateu na tecla do "julgamento político". "Lula nunca usou a sua função pública para usufruir de nenhum apartamento, o tríplex não é dele".

A seguir às partes, falou o juiz relator do caso. Durante três horas e meia, Gebran Neto contrariou a tese da defesa de "perseguição política" e acabou mesmo por aumentar a pena de Lula de nove anos e seis meses para 12 anos e um mês. "A culpabilidade de Lula é extremamente elevada", concluiu o juiz. Depois, Leandro Paulsen, juiz que acumula as funções de presidente do tribunal e de revisor da sentença, começou por dizer no seu voto que "a eleição de alguém não torna esse alguém acima do bem e do mal". Acabaria por confirmar o voto do relator e a determinar que, logo que os recursos em segunda instância se esgotem, a pena seja cumprida, ou seja, que Lula vá para a prisão. Finalmente, Victor Laus, o último a intervir, acompanhou o voto dos antecessores.

Ao longo do dia, mesmo ainda antes do fecho da sessão em Porto Alegre, a Bolsa de São Paulo reagiu com entusiasmo à possibilidade de condenação de Lula. Os papéis ultrapassaram os 82 mil pontos, um recorde, e a cotação do dólar baixou. A expectativa do mercado é que se o antigo presidente não concorrer, a agenda de reformas, a laboral e a previdenciária, sobretudo, terão mais possibilidade de serem mantidas e aprovadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.