Tribunal confirma: primeiro-ministro checo colaborou com política comunista

Andej Babis foi agente da polícia política da Checoslováquia

O primeiro-ministro em funções na República Checa, o multimilionário Andrej Babis, foi agente da polícia política (Stb) da Checoslováquia durante a ditadura comunista, segundo uma sentença definitiva hoje proferida por um tribunal eslovaco.

O Tribunal Regional de Bratislava confirmou hoje que o nome de Babis deve continuar a constar na lista que contém o nome dos informadores e colaboradores do órgão repressivo comunista.

Andrej Babis, nascido na Eslováquia, admitiu que na década de 1970 foi contactado pela Stb, embora tenha assegurado que não colaborou conscientemente com aquela unidade.

No entanto, segundo o departamento responsável pela memória histórica da Eslováquia UPN, Babis converteu-se num homem de confiança da Stb em 1980 e em 1982 passou a ser agente com o nome de "Bures".

Em 2013, um tribunal de primeira instância deu razão a Babis na sua exigência de que a UPN retirasse o seu nome da lista de colaboradores por não encontrar evidência da sua colaboração voluntária com a Stb.

A UPN recorreu desta sentença e a Justiça dá-lhe agora razão, numa decisão que não tem recurso.

Esta decisão não tem consequências legais, nem políticas para Babis, pelo que ter colaborado com a Stb apenas impossibilita que trabalhe como funcionário público.

Ler mais

Exclusivos

João Almeida Moreira

DN+ Cadê o Dr. Bumbum?

Por misturar na peça Amphitruo deuses, e os seus dramas divinos, e escravos, e as suas terrenas preocupações, o dramaturgo Titus Plautus usou pela primeira vez na história, uns 200 anos antes de Cristo, a expressão "tragicomédia". O Brasil quotidiano é um exemplo vivo do género iniciado por Plautus por juntar o sagrado, a ténue linha entre a vida e a morte, à farsa, na forma das suas personagens reais e fantásticas ao mesmo tempo. Eis um exemplo.