Julian Assange: tribunal mantém mandado de detenção

Fundador do WikiLeaks está refugiado Assange na embaixada do Equadoer desde 2012

O Tribunal de Westminster decidiu hoje manter o mandado de detenção do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que se encontra refugiado na embaixada do Equador em Londres há mais de cinco anos.

A juíza Emma Arbuthnot rejeitou um recurso apresentado pelos advogados de Julian Assange para a revogação do mandado de detenção.

"Não estou convencida de que o mandado possa ser retirado", disse Arbuthnot, perante os defensores de Assange, jornalistas e apoiantes do fundador do WikiLeaks, no Tribunal de Westminster.

Assange refugiou-se na representação diplomática equatoriana em junho de 2012 para evitar a extradição para a Suécia, onde as autoridades investigavam alegadas práticas de crimes sexuais contra duas mulheres, em 2010.

No entanto, os procuradores suecos arquivaram o processo no ano passado, considerando que não havia perspetivas de extraditar Assange para a Suécia num futuro próximo.

Os advogados do fundador do WikiLeaks recorreram por isso do mandado de detenção em vigor no Reino Unido, considerando que Assange já não é procurado pela justiça sueca.

No entanto, Assange ainda é alvo de um mandado no Reino Unido por ter violado os termos da sua liberdade condicional em 2012.

Se a juíza tivesse decidido a favor de Assange, o fundador do WikiLeaks estaria livre de deixar a embaixada do Equador na capital inglesa sem ser detido.

No entanto, o australiano Julian Assange suspeita da existência de uma acusação secreta dos Estados Unidos por causa da publicação pelo WikiLeaks de documentos secretos norte-americanos e acredita que as autoridades dos Estados Unidos procurarão a sua extradição.

No início deste mês, o Equador disse que tinha concedido a cidadania a Assange, numa tentativa de desbloquear o impasse que mantém o fundador do WikiLeaks como hóspede da embaixada há cinco anos e meio.

O Equador também pediu ao Reino Unido para lhe conceder o estatuto diplomático, mas as autoridades britânicas recusaram, dizendo que "a maneira de resolver o problema era Julian Assange sair da embaixada para enfrentar a Justiça."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.