Três terroristas e três polícias mortos em confrontos noturnos

Os confrontos armados entre as forças de segurança e vários grupos criminosos ou "terroristas" são frequentes entre a maioria sunita

Três terroristas e três agentes da polícia iranianos foram mortos em confrontos noturnos numa área no sudeste do Irão, na fronteira com o Paquistão, informou a agência oficial Irna (Islamic Republic News Agency).

"Às 01:30 da manhã de hoje [22:00 em Lisboa], um grupo de terroristas do Paquistão atacou" uma torre de vigilância da polícia na área de Mirjaveh, cidade fronteiriça a cerca de 75 km a sudeste de Zahedan, a capital da província do Sistão-Baluchistão", escreve a Irna.

O ataque surgiu na sequência de violentos confrontos e "três terroristas", um polícia e dois membros da Guarda Revolucionária, o exército de elite da República Islâmica, foram mortos, acrescenta a agência.

No passado, o Irão culpou o Paquistão de apoiar o grupo jihadista Jail al-Adl, acusado pelas autoridades do Teerão de estar ligado à Al-Qaeda e realizar numerosas operações armadas no Sistão-Baluchistão.

Os confrontos armados entre as forças de segurança e vários grupos criminosos ou "terroristas" são frequentes entre a maioria sunita da província de Baloch.

A população iraniana é 90% xiita e principalmente de etnia persa (cerca de dois terços).

De 2005 a 2010, o Sistão-Baluchistão foi desestabilizado por uma rebelião liderada pelo grupo sunita Jundallah ("Os soldados de Alá"), cujas atividades praticamente cessaram, após a execução do seu líder, em 2010.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".