Três terroristas e três polícias mortos em confrontos noturnos

Os confrontos armados entre as forças de segurança e vários grupos criminosos ou "terroristas" são frequentes entre a maioria sunita

Três terroristas e três agentes da polícia iranianos foram mortos em confrontos noturnos numa área no sudeste do Irão, na fronteira com o Paquistão, informou a agência oficial Irna (Islamic Republic News Agency).

"Às 01:30 da manhã de hoje [22:00 em Lisboa], um grupo de terroristas do Paquistão atacou" uma torre de vigilância da polícia na área de Mirjaveh, cidade fronteiriça a cerca de 75 km a sudeste de Zahedan, a capital da província do Sistão-Baluchistão", escreve a Irna.

O ataque surgiu na sequência de violentos confrontos e "três terroristas", um polícia e dois membros da Guarda Revolucionária, o exército de elite da República Islâmica, foram mortos, acrescenta a agência.

No passado, o Irão culpou o Paquistão de apoiar o grupo jihadista Jail al-Adl, acusado pelas autoridades do Teerão de estar ligado à Al-Qaeda e realizar numerosas operações armadas no Sistão-Baluchistão.

Os confrontos armados entre as forças de segurança e vários grupos criminosos ou "terroristas" são frequentes entre a maioria sunita da província de Baloch.

A população iraniana é 90% xiita e principalmente de etnia persa (cerca de dois terços).

De 2005 a 2010, o Sistão-Baluchistão foi desestabilizado por uma rebelião liderada pelo grupo sunita Jundallah ("Os soldados de Alá"), cujas atividades praticamente cessaram, após a execução do seu líder, em 2010.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.