Três polícias e um civil morrem em tiroteios nas últimas 24 horas

A intervenção militar pedida por Temer há um mês não tem conseguido atenuar a onda de violência no Rio de Janeiro

Pelo menos três polícias morreram nas últimas 24 horas em confrontos com criminosos em diferentes zonas do Rio de Janeiro, no Brasil, onde a mobilização de militares para garantir a segurança pública não tem conseguido atenuar a onda de violência.

As três novas vítimas mortais, confirmadas por uma fonte oficial, elevam para 29 o número de agentes mortos no Rio de Janeiro desde o início do ano.

Relativamente aos incidentes de hoje, o pior ocorreu na Rocinha, a maior favela do Rio, quando o polícia Felipe Santos Mezquita foi morto a tiro num confronto entre as autoridades e bandidos do bairro. Um civil também morreu no decorrer dos confrontos, vítima de uma bala perdida.

Fontes da polícia declararam aos meios de comunicação locais que o fogo cruzado começou quando criminosos armados atiraram contra agentes que patrulhavam a zona.

O polícia Santos Mezquita foi socorrido e transportado para o hospital municipal Miguel Couto, mas acabou por sucumbir aos ferimentos de bala.

Os outros dois polícias foram mortos em Cabo Frio, zona balnear no litoral norte do Rio de Janeiro, e na Baixada Fluminense.

Em Cabo Frio, o agente Luciano Batista Coelho não resistiu a ferimentos de bala na cabeça, sofridos quando tentava impedir um assalto a um armazém, na noite de quarta-feira.

O terceiro caso ocorreu em Belford Roxo, um bairro da Baixada Fluminense, uma área pobre na região metropolitana do Rio. O sargento Maurício Chagas Barros, de 37 anos, foi morto a tiro no decorrer dos confrontos.

A segurança pública do Rio de Janeiro está entregue a militares desde 17 de fevereiro, por ordem do Presidente brasileiro, Michel Temer. A medida visava baixar os índices de violência naquele Estado, que causou 6.731 mortes no ano passado, entre as quais mais de 100 polícias.

A violência no Rio de Janeiro ganhou nova projeção nos últimos dias devido aos assassínios da vereadora Marielle Franco e do vereador suplente Paulo Dourado Teixeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.