Foram multados por não ajudarem idoso que caiu

Idoso ficou gravemente ferido e nenhuma das pessoas chamou uma ambulância

Três pessoas foram condenadas a pagar uma multa por não ajudarem um idoso que caiu dentro de uma agência bancária. O homem de 83 anos ficou gravemente ferido devido à queda, em Essen, na Alemanha, e morreu uma semana depois.

A justiça decretou que as três pessoas, clientes do banco, deveriam ser penalizadas por ignorarem o homem. Imagens de câmaras de segurança mostram-nas a passarem ao lado do homem caído no chão. Uma quarta pessoa também não prestou auxílio, mas não foi julgada.

Segundo a BBC, não prestar auxílio durante uma emergência médica pode resultar numa pena de um ano de prisão ou multa. Quem não souber primeiros socorros é obrigado a, no mínimo, chamar os serviços de emergência.

O homem apenas recebeu auxílio 20 minutos depois, quando uma quinta pessoa chamou os serviços de emergência.

Os arguidos têm 39 anos, 61 e 55 e foram condenados respetivamente a 3600 euros, 2800 euros e 2400 euros. Dois deles disseram ter ignorado o homem porque achavam que era um sem-abrigo a dormir no banco.

A procuradora Nina Rezai disse que as multas tinham de ser altas porque "o dever de ajudar outro ser humano foi descaradamente violado". As multas iriam mandar o sinal de algo está errado com a sociedade, continuou Rezai.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.