Três pessoas morreram colhidas por comboio em Londres

Autoridades não encontraram nenhuma explicação para o sucedido. As vítimas seriam graffiters

Um comboio colheu mortalmente três pessoas na estação de Loughborough Junction, no sul de Londres, Reino Unido.

O alerta para a ocorrência foi dado por volta das 7:30 da manhã desta segunda-feira. As autoridades estão a proceder à identificação dos cadáveres e a tentar compreender como aconteceu a situação.

As autoridades não encontram explicação para o sucedido e, por isso, pedem a colaboração de possíveis testemunhas para investigar o caso. O incidente está a causar perturbações nos serviços da companhia ferroviária Thameslink, tendo provocado o cancelamento de alguns comboios, mas a estação continua aberta ao público.

"A minha equipa está a trabalhar arduamente para perceber o que aconteceu e como estas pessoas acabaram por perder a vida na linha de comboio", disse Gary Richardson, da Polícia Britânica de Transportes, em comunicado.

O incidente provocou perturbações nos serviços da companhia ferroviária Thameslink, tendo provocado o cancelamento de alguns comboios.

Segundo o diário britânico The Evening Standard , há uma teoria que prova que as vítimas eram graffiters na casa dos 20 anos. O maquinista não se terá apercebido da presença dos jovens quando estes estariam a cometer atos de vandalismo perto da linha férrea. Foram encontradas latas de spray perto do local onde os indivíduos perderam a vida.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.