Três novos casos de Ébola confirmados na Libéria

Em setembro, o país tinha sido declarado livre da doença pela segunda vez

Três novos casos de Ébola foram confirmados na Libéria, até aqui declarada livre de contágio do vírus, anunciou hoje um porta-voz da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O primeiro doente é um rapaz de dez anos, que adoeceu a 14 de novembro e foi hospitalizado três dias depois em Monróvia, disse aos jornalistas o médico Bruce Aylard, responsável da OMS pela resposta a esta epidemia de febre hemorrágica.

"A criança não esteve em contacto, que se saiba, com sobreviventes, nem assistiu a cerimónias fúnebres", acrescentou, eliminando as causas mais prováveis de contágio.

Dois dos seus irmãos e irmãs manifestaram sinais da doença nos últimos dois dias, indicou. A OMS confirmou que foram contaminados com o vírus do Ébola.

Aylard afirmou que espera esclarecer, nomeadamente com os pais que estiveram doentes de forma efémera nas últimas semanas, qual poderá ser a linha de transmissão.

O responsável sublinhou as melhorias no dispositivo de resposta de emergência na Libéria.

Em maio, a Libéria foi declarada pela primeira vez livre de contágio, antes da epidemia ter reaparecido seis semanas mais tarde.

Em setembro, o país foi novamente declarado livre da doença.

De acordo com as regras da OMS, um país é declarado livre de Ébola 42 dias - duas vezes que a duração máxima do período de incubação da doença - após o último caso conhecido.

A epidemia de Ébola na África ocidental é a mais grave desde a erradicação do vírus na zona da África central em 1976.

Desde dezembro de 2013, a doença causou 11.300 mortos num total de cerca de 29 mil pessoas contaminadas.

A Libéria registou, ao todo, 10.600 casos que causaram 4.808 mortes.

A quase totalidade destes casos mortais ocorreu na Serra Leoa, Libéria e Guiné-Conacri.

A Serra Leoa foi declarada livre do vírus no início deste mês. Na Guiné-Conacri, o último doente conhecido foi declarado curado na passada segunda-feira, lançando a contagem dos 42 dias necessários para considerar um país livre da doença.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.