Três mortos e 27 detidos numa série de saques em Joanesburgo

Os incidentes aconteceram esta quarta-feira, resultantes da ocupação das ruas por populares

Pelo menos três pessoas morreram e 27 foram detidas no âmbito de uma série de assaltos e saques a lojas de imigrantes no Soweto, zona de antigos guetos negros de Joanesburgo, África do Sul, disseram esta quinta-feira fontes policiais.

Na origem dos incidentes estarão acusações de que os comerciantes de origem estrangeira venderiam produtos caducados e falsificados.

"A comunidade ocupou as ruas em protesto e tornou-se violenta, o que levou aos saques", explicou a polícia da África do Sul em comunicado.

O pico de violência ocorreu na tarde de quarta-feira, com pelo menos três vítimas mortais.

Segundo a mesma fonte, "há ainda uma pessoa que está a ser tratada no hospital devido a ter sido ferida a tiro".

Os 27 detidos têm acusações como homicídio ou tentativa de homicídio, posse ilegal de armas de fogo e violência pública.

O presidente da câmara de Joanesburgo apelou à calma na quarta-feira, tendo a polícia aumentado a sua presença na zona e pedido a colaboração dos líderes da comunidade local para evitar a continuação dos incidentes.

Imagens publicadas no Twitter por populares mostram os momentos vividos na cidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.