Jovens condenados a prisão por distúrbios na presença do vice-PR angolano

Os detidos são suspeitos de terem vandalizado duas viaturas que acompanhavam a caravana presidencial

Três dos jovens detidos em Malanje, na sequência de desacatos durante as comemorações nacionais do Dia da Paz em Angola, na presença do vice-Presidente da República, Bornito de Sousa, foram condenados em tribunal e vão cumprir penas de prisão.

A Polícia Nacional de Angola tinha anunciado a detenção de oito jovens, pelos alegados distúrbios provocados a 4 de abril, envolvendo protestos contra o governador da província de Malanje, Norberto dos Santos, e seis começaram a ser presentes a julgamento sumário, em várias sessões, a partir da última segunda-feira.

Um dos jovens foi condenado a cinco meses de prisão e outros dois a sete meses, implicados por crimes de injúria à autoridade pública e perturbação ao funcionamento dos órgãos de soberania, por alegadamente atentarem contra a segurança do Vice-presidente da República, indicou à Lusa fonte judicial.

A defesa destes três jovens já anunciou a interposição de recurso à condenação.

Um outro acusado foi reencaminhado para o julgado de menores e dois jovens foram absolvidos pelo tribunal de Malanje.

Segundo informação da Polícia Nacional, os detidos são suspeitos de terem vandalizado duas viaturas que acompanhavam a caravana presidencial, naquele ato, a 4 de abril.

Dois dias depois, o vice-Presidente da República de Angola, Bornito de Sousa, desvalorizou o protesto protagonizado por dezenas de jovens, em Malanje, durante as comemorações do dia da Paz, exigindo na rua a saída de Norberto dos Santos "Kwata Kanawa" do cargo do governador daquela província do norte do país, afirmando que "não reflete" o caráter do povo local.

Num comentário pouco habitual para o vice-Presidente angolano, feito já em Luanda, depois de ter participado naquelas comemorações, Bornito de Sousa classificou a situação, a que terá assistido, com relatos de apedrejamentos e intervenção policial, como um "pequeno incidente", com protestos "na maior parte dos casos menos próprios".

Não reflete nem o sentimento nem o caráter do povo da província de Malanje

O protesto contra o também primeiro secretário em Malanje do MPLA, partido no poder, deu-se precisamente quando a capital da província recebeu o ato central das comemorações do dia da Paz e da Reconciliação Nacional, com a presença do vice-Presidente da República.

Várias fontes relatam casos de viaturas apedrejadas e vandalizadas na cidade de Malanje e jovens com cartazes dizendo "Nós não queremos este governador", aproveitando para tal a presença de Bornito de Sousa, protesto que foi dispersado pela polícia.

Em causa estarão várias polémicas locais, desde logo concursos para a colocação de professores e a proibição de os jovens moto-taxistas circularem no centro da cidade, devido, alegadamente, ao alto índice de sinistralidade.

Antigo ministro de José Eduardo dos Santos, na Assistência e Reinserção Social e dos Assuntos Parlamentares, Norberto dos Santos "Kwata Kanawa", de 70 anos, foi colocado em 2012 como governador da província de Malanje.

Em setembro último voltou a ser nomeado para o mesmo cargo pelo novo Presidente da República, João Lourenço.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.