Estado Islâmico decapita três irmãos no Afeganistão

Pai dos três rapazes foi assassinado em 2017

Três irmãos foram decapitados no domingo na zona leste do Afeganistão, segundo as autoridades locais, que atribuíram a autoria dos homicídios ao grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Os três homens, com 19, 24 e 27 anos, foram levados de casa à força e assassinados no distrito de Chaparhar, província de Nangarhar, disse à agência noticiosa AFP o porta-voz do governo provincial, Ataullah Khogyani.

Dois dos três irmãos tinham-se licenciado recentemente em Medicina e um terceiro estudava na universidade, acrescentou o mesmo responsável, que imputou o crime ao Daesh, acrónimo árabe do EI.

O pai dos três irmãos foi igualmente assassinado pelo EI, no ano passado.

O EI apareceu no Afeganistão em 2014, quando a coligação internacional que atuava sob a égide da NATO e estava presente no país desde 2001 se retirava, deixando a responsabilidade pela segurança a cargo das forças afegãs.

Embora menos importante em termos numéricos do que os talibãs, o EI reivindicou vários ataques sangrentos, nomeadamente em Cabul, entre os quais o do domingo passado, contra um centro de recenseamento eleitoral, que fez 57 mortos e mais de 100 feridos.

Os responsáveis de segurança ocidentais e afegãos acreditam que o EI recebe ajuda da rede Haqqani, uma fação dos talibãs.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.