Três dias, três primeiros lugares: Lula faz o pleno nas sondagens

Antigo presidente lidera também a pesquisa do Datafolha, a terceira da semana, e ainda com mais avanço. Bolsonaro consolida-se em cenário sem o político detido em Curitiba

A terceira e última sondagem da semana para as eleições brasileiras de 7 de Outubro volta a colocar Lula da Silva (PT), como líder absoluto nas intenções de voto. Na pesquisa do Instituto Datafolha, o antigo presidente surge com 39%, mais dois pontos do que nas estimativas de CNT/MDA e Ibope na semana passada. Jair Bolsonaro (PSL) está outra vez na frente no cenário sem Lula, seguido de Marina Silva (Rede).

Lula, cuja candidatura ainda está em análise no Tribunal Superior Eleitoral porque o ex-sindicalista foi condenado em segunda instância e cumpre pena de prisão, reúne 39% dos votantes, 20 pontos a mais do que Bolsonaro, com 19. Marina tem 8%, Geraldo Alckmin (PSDB) 6% e Ciro Gomes (PDT) 5%.

Sem o antigo presidente na equação, Bolsonaro chega a 22% e Marina a 16%. Ciro, do mesmo campo político de Lula, dobra a votação para 10%, enquanto Alckmin, de centro-direita, sobe para 9%. Só depois vem Fernando Haddad (PT), o provável substituto do líder nas sondagens, com 4%, tantos quantos Álvaro Dias (Podemos).

O Datafolha ouviu 8.433 cidadãos, mais do quádruplo das duas pesquisas concorrentes, de 313 municípios entre os dias 20 e 21.

Na sondagem do Ibope, divulgada ontem, Lula tinha 37%, Bolsonaro 18%, Marina 6%, Ciro e Alckmin 5%. Sem Lula, Bolsonaro subia a 20%, Marina a 12%, Ciro a 9%, Alckmin a 7%, Haddad a 4% e Álvaro a 3%.

Na CNT/MDA, Lula aparecia novamente com 37%, Bolsonaro com 19%, Marina 6%, Alckmin 5% e Ciro 4%. A empresa não previu cenário sem o antigo presidente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.