Três alpinistas morrem em montanha na Suíça

A identidade e a nacionalidade das três vítimas mortais, dois homens e uma mulher, ainda não são conhecidas

Três alpinistas morreram na quinta-feira quando tentavam subir a montanha Piz Bernina, no leste da Suíça, divulgou esta sexta-feira a polícia local.

A identidade e a nacionalidade das três vítimas mortais, dois homens e uma mulher, ainda não são conhecidas, segundo indicou à agência noticiosa francesa France Presse (AFP) um porta-voz da polícia do cantão de Grisões (leste).

A polícia local relatou que os alpinistas morreram devido a uma queda.

"A cerca de 3.600 metros de altitude, eles caíram 300 metros no vazio", explicou a polícia local, num comunicado.

Outros alpinistas que testemunharam o acidente alertaram os serviços de urgência.

Por causa do risco de queda de pedras, não foi possível retirar os corpos na quinta-feira.

A operação para retirar os corpos das vítimas foi efetuada hoje de manhã com recurso a um helicóptero.

As autoridades abriram entretanto uma investigação.

Na quarta-feira, uma alpinista alemã de 32 anos também perdeu a vida quando tentava subir a mesma montanha com um grupo. A alpinista escorregou e sofreu uma queda fatal de cerca de 600 metros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".