Torra vai pedir a Sánchez referendo sobre a autodeterminação da Catalunha

Presidente da Generalitat vai reunir-se com Pedro Sánchez no dia 9 de julho

"Agora há uma grande oportunidade, que é a negociação com o Estado espanhol. Até que enfim que se senta alguém à mesa [das negociações]. Vamos falar sobre o direito à autodeterminação", afirmou esta quarta-feira Quim Torra, num encontro com a imprensa em Washington, nos EUA, citado pelos media espanhóis. O atual presidente do governo autónomo catalão aproveitou para voltar a classificar como "aceitáveis" os modelos da Escócia e do Quebeque.

Torra encontra-se em Washington para a inauguração do Festival Folklife, do qual são convidadas a Catalunha e a Arménia. A sua comparência não está isenta de polémica, pois segundo os media espanhóis, neste evento estão previstas tanto a sua intervenção como a do embaixador de Espanha nos EUA, Pedro Morenés. Torra já disse que, no seu discurso vai explicar que quer a liberdade "dos presos políticos, o regresso dos exilados e exercer o direito à autodeterminação".

Aproveitando para classificar como "indecente" a decisão de hoje do Supremo Tribunal, no sentido de manter a acusação por rebelião contra os dirigentes catalães detidos ou exilados, como por exemplo o ex-presidente da Generalitat Carles Puigdemont, Torra manifestou grande expectativa em relação ao seu encontro com o novo primeiro-ministro espanhol, o socialista Pedro Sánchez.

Recorde-se que o PSOE votou ao lado do PP para aprovar a aplicação do artigo 155.º da Constituição espanhola pela primeira vez na história da democracia do país depois de os catalães terem organizado um referendo inconstitucional sobre a independência de uma república catalã. Depois, Sánchez tirou o PP de Mariano Rajoy do poder, ao ver aprovada a moção de censura que apresentou. Para isso, contou com a ajuda do Podemos e de vários partidos regionais. Entre eles estão as formações independentistas catalãs PDeCAT e ERC. Agora, por sinal, chegou a hora de cobrar esse apoio a Sánchez.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.