Torra vai pedir a Sánchez referendo sobre a autodeterminação da Catalunha

Presidente da Generalitat vai reunir-se com Pedro Sánchez no dia 9 de julho

"Agora há uma grande oportunidade, que é a negociação com o Estado espanhol. Até que enfim que se senta alguém à mesa [das negociações]. Vamos falar sobre o direito à autodeterminação", afirmou esta quarta-feira Quim Torra, num encontro com a imprensa em Washington, nos EUA, citado pelos media espanhóis. O atual presidente do governo autónomo catalão aproveitou para voltar a classificar como "aceitáveis" os modelos da Escócia e do Quebeque.

Torra encontra-se em Washington para a inauguração do Festival Folklife, do qual são convidadas a Catalunha e a Arménia. A sua comparência não está isenta de polémica, pois segundo os media espanhóis, neste evento estão previstas tanto a sua intervenção como a do embaixador de Espanha nos EUA, Pedro Morenés. Torra já disse que, no seu discurso vai explicar que quer a liberdade "dos presos políticos, o regresso dos exilados e exercer o direito à autodeterminação".

Aproveitando para classificar como "indecente" a decisão de hoje do Supremo Tribunal, no sentido de manter a acusação por rebelião contra os dirigentes catalães detidos ou exilados, como por exemplo o ex-presidente da Generalitat Carles Puigdemont, Torra manifestou grande expectativa em relação ao seu encontro com o novo primeiro-ministro espanhol, o socialista Pedro Sánchez.

Recorde-se que o PSOE votou ao lado do PP para aprovar a aplicação do artigo 155.º da Constituição espanhola pela primeira vez na história da democracia do país depois de os catalães terem organizado um referendo inconstitucional sobre a independência de uma república catalã. Depois, Sánchez tirou o PP de Mariano Rajoy do poder, ao ver aprovada a moção de censura que apresentou. Para isso, contou com a ajuda do Podemos e de vários partidos regionais. Entre eles estão as formações independentistas catalãs PDeCAT e ERC. Agora, por sinal, chegou a hora de cobrar esse apoio a Sánchez.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Monsanto

"Nunca pensei desistir." O jardineiro que derrubou a Monsanto

Não é um homem rico, como muitos pensam, porque ainda não recebeu a indemnização da Monsanto. Nem sabe se viverá o suficiente para assistir ao acórdão final do processo que travou contra a gigante agroquímica, dona da marca RoundUp. Ainda assim, sabe que já fez história. Na luta contra um cancro (linfoma não Hodgkin), diz que tem dores, altos e baixos, mas promete não desistir. Se houvesse cura, Dewayne Lee Johnson gostaria de criar uma fundação e dedicar-se mais à música e à arte.