Tóquio considera decisão da Coreia do Norte insatisfatória

País não mencionou "o abandono dos mísseis balísticos de curto e médio alcance".

O ministro da Defesa japonês considerou hoje insatisfatória a decisão da Coreia do Norte em suspender os testes nucleares, já que Pyongyang não mencionou "o abandono dos mísseis balísticos de curto e médio alcance".

"Não podemos ficar satisfeitos", afirmou Itsunori Onodera aos jornalistas, adiantando que Pyongyang não fez qualquer referência "ao abandono dos mísseis balísticos de curto e médio alcance", pelo que Tóquio irá manter pressão sobre a Coreia do Norte.

Anteriormente, a Coreia do Sul tinha felicitado a decisão do líder norte-coreano, Kim Jong-Un, de suspender os testes nucleares, salientando tratar-se de um "passo significativo" para a desnuclearização da península coreana.

"A decisão da Coreia do Norte representa um passo significativo para a desnuclearização da península coreana, que o mundo aguarda", afirmou a presidência da Coreia do Sul, em comunicado, elogiando o "ambiente muito positivo para as próximas cimeiras entre as duas Coreias e entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos", que a decisão de Pyongyang "irá criar".

O Presidente norte-americano, Donald Trump, também já reagiu a este anúncio, tendo considerado uma "muito boa notícia" a decisão da Coreia do Norte, e manifestou-se desejoso de se encontrar com o líder norte-coreano, o que poderá acontecer em maio ou junho.

A agência de notícias oficial da Coreia do Norte adiantou que a suspensão dos testes nucleares tem efeito a partir de hoje (já sábado, 21 de abril), na Coreia do Norte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".