Tiroteio em resort de Trump. Atirador detido

Na madrugada desta sexta-feira, um homem efetuou disparos no resort de golfe de Donald Trump, em Miami. O suspeito foi baleado e detido pela polícia

Um homem entrou no resort de golfe Trump National Doral, do presidente dos EUA e efetuou vários disparos na madrugada desta sexta-feira

O suspeito foi baleado e detido pelos agentes da polícia.

O diretor da polícia de Miami, Juan Perez, disse que o homem gritava algo sobre Trump e estava "a disparar ativamente".

"Ele estava a gritar algo sobre o presidente Trump e é tudo o que sabemos até agora. E tinha uma bandeira americana que pôs sobre o balcão do 'lobby'", acrescentou.

A polícia tomou conhecimento da ocorrência às 01:30 e quando chegaram ao local encontraram o indivíduo ainda armado.

Os agentes da polícia envolveram-se num tiroteio com o suspeito, que foi atingido nas extremidades inferiores. Um polícia ficou ferido.

Eric Trump, filho do presidente dos EUA, já agradeceu à polícia.

Um forte dispositivo policial foi destacado para o local. Os serviços secretos enviaram uma equipa e a polícia federal (FBI) também esteve no resort, segundo Perez.

As autoridades desconhecem o que terá estado na origem deste ataque. Está já a decorrer uma investigação e a polícia não descarta nenhuma hipótese, incluindo terrorismo.

Com Lusa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.