Podem subir para dez os mortos em tiroteio em escola secundária do Texas

Duas pessoas já foram detidas, ambos estudantes. Maioria das vítimas são alunos. Xerife confirma que foram encontrados engenhos explosivos na escola e nas áreas adjacentes

Pelo menos dez pessoas morreram num tiroteio na escola secundária de Santa Fé, em Galveston, no Texas. Em conferência de imprensa no local, o xerife Ed Gonzalez revelou que pode haver mais vítimas mortais, "oito a dez, incluindo alunos e alguns adultos", e que há um polícia ferido e internado.

Entretanto, em conferência de imprensa as autoridades afirmaram apenas avançarem nova contagem de vítimas quando o número de mortos for oficial.

O atirador foi detido e há outro suspeito sob custódia, disse o xerife - ambos estudantes, segundo o The New York Times.

Segundo relatos dos alunos nos media locais, o atirador entrou na escola e começou a disparar por volta das 7.30, hora local. Na escola andam 1400 alunos.

Além do autor do ataque, um aluno de 17 anos daquela escola que foi detido, González indicou que outra pessoa está a ser interrogada no âmbito deste caso, embora sem esclarecer o motivo.

Em conferência de imprensa, o xerife afirmou que a brigada de minas e armadilhas da polícia descobriu despositvos explosivos na escola e nas áreas adjacentes. Por causa do risco das explosão, as autoridades pedem a todos "para ter atenção a coisas que pareçam fora do local e para não tocare em nada".

O presidente dos Estados Unidos já manifestou a sua preocupação no Twitter: "As primeiras notícias não dão boas indicações." Donald Trump comentou a situação em conferência de imprensa dizendo que "isto acontece há demasiado tempo, demasiados anos, demasiadas décadas" e que a sua administração está disposta a fazer tudo para proteger os alunos, manter as escolas seguras e manter as armas fora das mãos daqueles que são uma ameaça".

À ABC13 testemunhas contaram que após ter soado o alarme, os professores acompanharam os alunos numa correria pelo campo, até ficarem fora de perigo.

A escola secundária foi fechada após o ataque e os distritos escolares vizinhos foram colocados em "modo de proteção" por precaução.

Veja no tweet da CBS News relatos do caos vivido esta sexta-feira na primeira pessoa.

Este tiroteio acontece quando os Estados Unidos ainda estão a recuperar do massacre num liceu da Florida que matou 17 pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.