Tiroteio em desfile náutico de Carnaval mata três pessoas

Um homem que estava a bordo de uma lancha abriu fogo sobre os ocupantes de outra embarcação

Três pessoas morreram e cinco ficaram feridas num tiroteio entre ocupantes de dois barcos que participavam num desfile náutico de Carnaval na cidade colombiana de Tumaco, revelaram hoje as autoridades locais.

O incidente terá ocorrido durante as celebrações do Carnaval do Fogo, uma festa tradicional de Tumaco, no momento em que era feita a apresentação das candidatas a rainha da festa, relata o jornal El Pais, de Cali, citado pela agência EFE.

Durante o desfile náutico, um homem que estava a bordo de uma lancha abriu fogo sobre os ocupantes de outra embarcação.

O governador da província de Narino, Camilo Romero, condenou o ocorrido, garantindo que as autoridades "estão a trabalhar para prender os responsáveis" pelo tiroteio.

"Foi algo terrível, estávamos perto da lancha contra qual atiraram, éramos 14 pessoas a bordo, incluindo crianças, e tivemos de nos atirar à água para não morrer. Foram momentos de pânico", relatou uma das testemunhas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.