"Tínhamos casas num lado da rua que agora estão no outro". Furacão deixa rasto de destruição

O Michael foi a terceira tempestade mais forte a atingir os EUA desde que há registo. Fez pelo menos seis mortos e deixou um cenário de devastação por onde passou

Sarah Radney, de 11 anos, estava sentada ao lado da avó quando a porta de uma garagem irrompeu pela casa no sudoeste da Geórgia devido aos ventos do furacão Michael e a atingiu na cabeça. É a sexta vítima mortal confirmada daquele que foi o terceiro pior furacão a atingir os EUA desde que há registo, deixando um cenário de devastação.

Além de Sarah, quatro pessoas morreram na Florida e outra na Carolina do Norte, quando a viatura em que seguia foi atingida por uma árvore. Este último estado já tinha sido fortemente atingido pelo furacão Florence, no mês passado.

O furacão Michael atingiu a costa noroeste da Florida, perto de Mexico Beach, com ventos de 250 quilómetros por hora e alagando toda região. Era um furacão de categoria 4 na escala de Saffir-Simpson (que vai até 5), tendo depois recuado até ao nível de pós-tempestade tropical.

Nesta cidade costeira onde vivem cerca de mil pessoas, bairros completos ficaram reduzidos a placas de cimento na areia e pilhas de madeira. Militares norte-americanos criaram um caminho pelo meio dos escombros para permitir que os socorristas consigam procurar por habitantes que tenham ficado presos em casa, sobreviventes ou vítimas. Cães, drones e GPS estão a ser usados nas buscas.

Cerca de 375 mil pessoas na Florida receberam ordem para sair das suas casas e fugir, mas muitas recusaram, incluindo perto de 285 pessoas em Mexico Beach.

"Preparamo-nos para o pior e esperamos o melhor. Isto é obviamente o pior", disse à Reuters Stephanie Palmer, socorrista da FEMA (a agência federal de emergência dos EUA).

Em Port St. Joe, a 19 quilómetros de Mexico Beach, o presidente da câmara revela o cenário de devastação: "Tínhamos casas que estavam num lado da rua e agora estão no outro", afirmou Bo Patterson, estimando que mil casas tenham sido parcial ou completamente destruídas na cidade de 3500 habitantes.

Mais de um milhão de casas e edifícios estão sem eletricidade nos estados afetados, havendo 20 mil pessoas em abrigos de emergência.

Terceira maior tempestade

O Michael foi a terceira tempestade mais forte a atingir os EUA desde que há registo, ficando apenas atrás do furacão Camille, que atingiu a costa do Mississípi em 1969, e do furacão do Dia do Trabalhador de 1935, nas Florida Keys. Foi ainda o primeiro furacão de categoria 4 a atingir a região de Panhandle (como é conhecida a região noroeste da Florida) desde que começou a haver registos, em 1851.

Apesar de o olho da tempestade se encontrar sobre o Atlântico, o impacto ainda se faz sentir na costa, com previsões de mais cheias devido às chuvas na Virgínia, Maryland, Delaware até parte de Nova Jérsia.

"É uma devastação impensável", disse o governador da Florida, Rick Scott. "Muitas pessoas ficaram feridas", acrescentou. "A ajuda chega do ar, de terra do mar", garantiu.

O presidente norte-americano, Donald Trump, aprovou a declaração do estado de catástrofe na Florida, permitindo desbloquear mais ajuda federal, declarando também o estado de emergência na Geórgia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Calma que isto é Portugal

Deve ter sido lá pelas duas, duas e meia, eu dava voltas a um texto que não se deixava domesticar e as pálpebras queixavam-se do cansaço, do fumo das cigarrilhas e de algumas metáforas rebuscadas. Quando me preparava para a última revisão ouvi alguém que descia a rua e pareceu estacar junto à janela do escritório. Um breve silêncio e logo o som inconfundível de um líquido que jorra por ação humana e o suspiro de alívio que o costuma acompanhar.

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.