Tillerson regressa à "vida privada" como um "americano orgulhoso"

Secretário de Estado foi demitido por Donald Trump de manhã. Numa conferência de imprensa anunciou saída para 21 de março à meia-noite.

Rex Tillerson, de voz emocionada, começou por agradecer a todos no Departamento de Estado, pelo seu trabalho ao longo dos últimos 13 meses. Horas depois de o seu afastamento ter sido anunciado pelo presidente Donald Trump no Twitter, o ex-CEO da ExxonMobil falou aos jornalistas e anunciou que deixa o cargo a 21 de março.

Depois de ter uma palavra para os diplomatas que pelo mundo fora representam os Estados Unidos, sobretudo os que estão em locais difíceis onde por vezes arriscam a vida, estando longe da família, Tillerson explicou que há muito trabalho para fazer. E prometeu trabalhar nos próximos dias para uma transição "suave e ordeira" para o sucessor, Mike Pompeo, o atual diretor da CIA.

Quanto a ele, cuja fortuna pessoal está avaliada em 325 milhões de dólares, prevê "o regresso à vida privada" como "americano orgulhoso". Talvez numa reforma dourada no seu Texas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...