Terroristas planeavam ataque a centrais nucleares

Jornais belgas revelam que a detenção de Abdeslam precipitou ataques de Bruxelas e fez os terroristas alterarem planos

Os irmãos El Bakraoui terão mudado de planos relativamente aos atentados de Bruxelas depois da operação policial em Forest e da detenção de Salah Abdeslam, que participou nos ataques de novembro do ano passado em Paris. Segundo os jornais Derniére Heure e La Libre, que pertencem ao mesmo grupo de comunicação social, os terroristas tinham como alvo inicial as centrais nucleares.

As duas publicações recordam que, em dezembro, as autoridades recuperaram uma gravação na casa de Mohamed Bakkali, um dos suspeitos dos atentados de Paris. Essas imagens mostravam a frente da casa do diretor do programa de investigação e desenvolvimento nuclear belga, em Flandres, durante uma dezena de horas. Após a divulgação da existência deste registo, as autoridades aumentaram a segurança nas centrais nucleares belgas.

Segundo os dois jornais, que publicam o mesmo texto, esse reforço da segurança poderá ter levado os irmãos Ibrahim e Khalid El Bakraoui a mudarem os planos e a decidirem atacar o aeroporto e o metro.

Nos atentados de terça-feira em Bruxelas morreram, pelo menos, 31 pessoas e quase 300 ficaram feridas.

As autoridades belgas já confirmaram que os responsáveis pelas explosões no aeroporto foram Ibrahim El Bakraoui e Najim Laachraoui, que se fizeram explodir. Com eles estava um outro homem, que as autoridades ainda não conseguiram identificar e que está em fuga.

No metro, o bombista suicida foi Khalid El Bakraoui, que estava na companhia de um outro homem, que transportava um saco grande e que não entrou na carruagem. As autoridades procuram este indivíduo, do qual alegadamente já existe um retrato robô.

Na sequência destes ataques, na terça-feira, as autoridades da Bélgica aumentaram o nível de segurança nas instalações nucleares em todo o país e o pessoal não essencial das mesmas foi retirado.

Exclusivos