Terrorista condenado por planear atentado para matar Theresa May

Naa'imur Zakariyah Rahman foi apanhado depois de ter revelado o seu plano de fazer explodir os portões de Downing Street a agentes infiltrados

Um terrorista do Estado Islâmico foi considerado culpado de ter planeado um atentado contra a primeira-ministra britânica Theresa May, revelou esta quarta-feira a Sky News.

Naa'imur Zakariyah Rahman, de apenas 20 anos, é originário de Birmingham e foi descoberto depois de ter, através de um contacto online, ter revelado o seu plano a um agente do FBI, que se fez passar por membro do Estado Islâmico, segundo o qual pretendia atacar Theresa May com uma faca ou uma arma.

Esse agente do FBI apresentou Rahman a um elemento dos serviços secretos britânicos (MI5), também ele infiltrado, a quem contou mais pormenores sobre o seu plano para tentar matar Theresa May e colocar uma bomba no parlamento.

Segundo a Sky News, o terrorista admitia a possibilidade de fazer explodir um camião-cisterna cheio de gasolina perto do Parlamento, tendo ainda falado na possibilidade de usar um cinto com explosivos, um drone e até veneno. "Se Deus quiser será um feito enorme se o conseguir", disse ao agente secreto britânico disfarçado.

Zakariyah Rahman chamou a atenção da polícia britânica ainda por outros motivos, quando foi preso em agosto de 2017 por suspeitas de ter enviado fotografias indecentes para raparigas menores de idade. E já nessa altura as autoridades britânicas ficaram preocupadas com os seus pontos de vista extremistas, após uma perícia feita ao seu telemóvel.

Foi a morte do seu tio na Síria, após um ataque de drones, que levou Rahman a ser mais ativo nas suas intenções de planear um ataque terrorista, tendo então entrado em contacto online com o agente do FBI, pensando que seria um membro do Estado Islâmico.

O terrorista chegou mesmo a fazer reconhecimento em Whitehall, zona londrina onde se situa o governo britânico, a 18 de novembro, tendo dois dias depois comprado uma mochila, antes de encontrar o agente do MI5 disfarçado, em Brixton, que lhe prometeu colocar os explosivos dentro dessa mochila.

O agente devolveu-lhe a mochila dez dias depois, carregada de explosivos fictícios. Só que quando se dirigia para Kensington acabou por ser detido, sendo depois acusado de estar a preparar atos de terrorismo contra a Grã-Bertanha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.