Terramoto de magnitude 6,1 na escala de Richter atinge Filipinas

Autoridades ainda não informaram se há vítimas, danos materiais ou se ativaram o alerta de tsunami

Um terramoto de magnitude 6,1 graus na escala de Richter atingiu este sábado as Filipinas, mas as autoridades ainda não informaram se há vítimas, danos materiais ou se ativaram o alerta de tsunami.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), que regista a atividade sísmica mundial, localizou o epicentro do tremor a 17 quilómetros de profundidade.

O mesmo organismo referiu que o terramoto aconteceu a 58 quilómetros a noroeste de Pandan, na ilha de Catanduanes, e a 319 quilómetros a leste de Manila, na ilha de Luzón.

O serviço sismológico filipino (Philvolcs), entretanto, indicou que a magnitude do terramoto foi de 5,9 graus na escala de Richter e que se situou a 46 quilómetros de profundidade.

O Philvolcs apontou que não esperam que o terramoto tenha causado danos, mas preveem que aconteçam réplicas do tremor.

O Centro de Alertas de Tsunamis do Pacífico não emitiu algum aviso por risco de ondas gigantes.

As Filipinas ficam localizadas no Anel de Fogo do Pacífico, uma zona com grande atividade sísmica e vulcânica que é sacudida por cerca de 7.000 tremores por ano, a maioria desses de magnitude moderada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.