Terramoto de magnitude 6,1 na escala de Richter atinge Filipinas

Autoridades ainda não informaram se há vítimas, danos materiais ou se ativaram o alerta de tsunami

Um terramoto de magnitude 6,1 graus na escala de Richter atingiu este sábado as Filipinas, mas as autoridades ainda não informaram se há vítimas, danos materiais ou se ativaram o alerta de tsunami.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), que regista a atividade sísmica mundial, localizou o epicentro do tremor a 17 quilómetros de profundidade.

O mesmo organismo referiu que o terramoto aconteceu a 58 quilómetros a noroeste de Pandan, na ilha de Catanduanes, e a 319 quilómetros a leste de Manila, na ilha de Luzón.

O serviço sismológico filipino (Philvolcs), entretanto, indicou que a magnitude do terramoto foi de 5,9 graus na escala de Richter e que se situou a 46 quilómetros de profundidade.

O Philvolcs apontou que não esperam que o terramoto tenha causado danos, mas preveem que aconteçam réplicas do tremor.

O Centro de Alertas de Tsunamis do Pacífico não emitiu algum aviso por risco de ondas gigantes.

As Filipinas ficam localizadas no Anel de Fogo do Pacífico, uma zona com grande atividade sísmica e vulcânica que é sacudida por cerca de 7.000 tremores por ano, a maioria desses de magnitude moderada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.