Terramoto de magnitude 6,1 na escala de Richter atinge Filipinas

Autoridades ainda não informaram se há vítimas, danos materiais ou se ativaram o alerta de tsunami

Um terramoto de magnitude 6,1 graus na escala de Richter atingiu este sábado as Filipinas, mas as autoridades ainda não informaram se há vítimas, danos materiais ou se ativaram o alerta de tsunami.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), que regista a atividade sísmica mundial, localizou o epicentro do tremor a 17 quilómetros de profundidade.

O mesmo organismo referiu que o terramoto aconteceu a 58 quilómetros a noroeste de Pandan, na ilha de Catanduanes, e a 319 quilómetros a leste de Manila, na ilha de Luzón.

O serviço sismológico filipino (Philvolcs), entretanto, indicou que a magnitude do terramoto foi de 5,9 graus na escala de Richter e que se situou a 46 quilómetros de profundidade.

O Philvolcs apontou que não esperam que o terramoto tenha causado danos, mas preveem que aconteçam réplicas do tremor.

O Centro de Alertas de Tsunamis do Pacífico não emitiu algum aviso por risco de ondas gigantes.

As Filipinas ficam localizadas no Anel de Fogo do Pacífico, uma zona com grande atividade sísmica e vulcânica que é sacudida por cerca de 7.000 tremores por ano, a maioria desses de magnitude moderada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.