Terceiro suspeito de planear massacre em escola do Brasil entrega-se à Justiça

O terceiro suspeito de planear o massacre que ocorreu numa escola brasileira e que provocou 10 mortos, apresentou-se hoje à Justiça, noticiou o jornal Folha de São Paulo.

O terceiro suspeito de participar no crime se entregou esta sexta-feira é um jovem de 17 anos que não foi identificado. Ele chegou ao local num carro da polícia, acompanhado da mãe. O jovem também é ex-aluno da escola e estudou na sala de Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos que, segundo a polícia, liderou o massacre.

A Folha de S. Paulo informou que o terceiro suspeito de ter envolvimento no massacre teria ajudado no planeamento da ação. Esta hipótese foi levantada pelo delegado-geral da Polícia Civil, Ruy Ferraz Fontes, que disse à imprensa local que o dono do estacionamento onde os autores do crime, Guilherme Taucci e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, guardaram o carro usado no ataque, teria informado a polícia sobre a participação de uma terceira pessoa.

A polícia brasileira pediu na quinta-feira à Justiça a detenção do adolescente suspeito de ajudar a planear o massacre.

O massacre de Suzano, quarta-feira passada, resultou em 10 mortes, a de cinco alunos e dois funcionários da escola, a de Moraes, da empresa próxima ao estabelecimento de ensino, e dos próprios criminosos, que se mataram. Segundo a perícia, Guilherme matou Luiz e em seguida suicidou-se. Outras 10 pessoas ficaram feridas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?