Tentativa de José Eduardo dos Santos de alterar a data de saída do MPLA falhou

Notícia foi avançada por um comentador político e académico angolano

O comentador político e académico angolano Jonuel Gonçalves considerou hoje à agência Lusa que a tentativa de José Eduardo dos Santos alterar a data limite de saída da direção do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) "falhou".

"Cumpre-se o acordo pré-eleitoral elaborado dentro do MPLA: candidatura de João Lourenço à Presidência e permanência de Eduardo dos Santos na chefia do partido apenas em 2018. A tentativa de Eduardo dos Santos em alterar esta data limite falhou", sublinhou o também docente universitário que leciona no Brasil.

Para o também comentador da RDP África, com a decisão tomada hoje numa reunião do Bureau Político do MPLA, "mantém-se a tradição" de o Presidente da República chefiar também o MPLA "e evita-se o recente modelo cubano" -- a presidência foi entregue ao ex-vice-Presidente, com Raul Castro a dirigir o Partido Comunista Cubano (PCC) por dois anos.

"As articulações das últimas semanas, inclusive a visita de líderes religiosos a Eduardo dos Santos, apontava para o desfecho agora anunciado, bem como as mais recentes mudanças nas Forças Armadas e num dos serviços de inteligência", referiu.

Jonuel Gonçalves, conhecido na RDPÁfrica por José Gonçalves, destacou, por outro lado, que a "grande proximidade" da data do próximo congresso extraordinário do partido no poder em Angola é "testemunho da importância das eleições autárquicas".

Hoje, em Luanda, o MPLA aprovou a realização de um congresso extraordinário na primeira quinzena de setembro deste ano e a candidatura de João Lourenço ao cargo de presidente do partido, ocupado desde 1979 por José Eduardo dos Santos.

"O bureau político aprovou a proposta de resolução e o cronograma de preparação e realização do 6.º Congresso Extraordinário do partido, a ter lugar na primeira quinzena de setembro próximo e, consequentemente, aprovou a candidatura do camarada João Lourenço, atual vice-presidente, ao cargo de presidente do MPLA", lê-se no comunicado daquele órgão partidário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.