Tentativa de assalto termina com dois mortos e quatro assaltantes presos

Polícia negociou libertação de reféns durante duas horas, depois de cinco homens terem tentado assaltar agência do Banco Santander em Madureira, no Rio de Janeiro

Um refém e um assaltante morreram numa tentativa de assalto numa agência do Banco Santander em Madureira, no Rio de Janeiro. Quatro outros assaltantes foram presos pela polícia, que apreendeu sete armas, depois de duas horas de negociação para a libertação de seis reféns.

Segundo os jornais brasileiros, a vítima mortal será um antigo polícia militar, já na reforma, que era cliente do banco. Pelo menos outra pessoa ficou ferida na troca de tiros durante o assalto, tendo sido libertado pelos assaltantes durante a negociação com a polícia.

A polícia contou com a ajuda da família de um dos assaltantes que estaria no local para ajudar a negociar a rendição dos assaltantes.

"A Polícia Militar tem por hábito empregar os familiares dos marginais para demover a intenção criminosa dos assaltantes. Nesse momento, o criminoso quer viver, quer garantir a sua integridade física na saída da agência. A presença do familiar é importante para testemunhar que a integridade física vai ser garantida", indicou o porta-voz da Polícia Militar, major Ivan Blaz, à Globo News.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.