Tentativa de assalto termina com dois mortos e quatro assaltantes presos

Polícia negociou libertação de reféns durante duas horas, depois de cinco homens terem tentado assaltar agência do Banco Santander em Madureira, no Rio de Janeiro

Um refém e um assaltante morreram numa tentativa de assalto numa agência do Banco Santander em Madureira, no Rio de Janeiro. Quatro outros assaltantes foram presos pela polícia, que apreendeu sete armas, depois de duas horas de negociação para a libertação de seis reféns.

Segundo os jornais brasileiros, a vítima mortal será um antigo polícia militar, já na reforma, que era cliente do banco. Pelo menos outra pessoa ficou ferida na troca de tiros durante o assalto, tendo sido libertado pelos assaltantes durante a negociação com a polícia.

A polícia contou com a ajuda da família de um dos assaltantes que estaria no local para ajudar a negociar a rendição dos assaltantes.

"A Polícia Militar tem por hábito empregar os familiares dos marginais para demover a intenção criminosa dos assaltantes. Nesse momento, o criminoso quer viver, quer garantir a sua integridade física na saída da agência. A presença do familiar é importante para testemunhar que a integridade física vai ser garantida", indicou o porta-voz da Polícia Militar, major Ivan Blaz, à Globo News.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.