Tensão e protestos no maior campo de refugiados na Bulgária

Migrantes na Bulgária protestam por estarem retidos no país contra a sua vontade e exigem o direito de partir para a Sérvia

Cerca de 300 migrantes afegãos desencadearam esta segunda-feira um protesto no maior centro de acolhimento para refugiados na Bulgária, para exigir a possibilidade de alcançarem a Europa ocidental, indicou a ONG Comité de Helsínquia para os direitos humanos (HCHR).

"Protestam pelo facto de estarem retidos na Bulgária contra a sua vontade e exigem o direto de partir para a Sérvia, e daí para a Europa [ocidental], precisou à agência noticiosa France-Presse Ilina Savova, da secção búlgara da organização, ao referir-se a "cerca de 300 afegãos" em protesto no centro de Harmanli, perto da fronteira turca.

O ministério do Interior confirmou esta segunda-feira um ambiente de "tensão" no centro, sublinhando no entanto que apenas se relacionam com "as condições de vida" e não fornecendo números.

Harmanli, o principal centro de acolhimento de migrantes na Bulgária, alberga cerca de 3800 pessoas, metade de nacionalidade afegã. Os 'media' não foram autorizados a aproximarem-se do local.

A Bulgária reforçou desde o verão o controlo dos migrantes, para além de uma vigilância reforçada na fronteira sérvia, dificultando o trânsito através do país. De acordo com estimativas, a maioria dos 16.000 migrantes que entraram na Bulgária desde o início de 2016 ficaram bloqueados no país balcânico.

Sófia prevê a construção de três novos campos junto à fronteira com a Turquia para enfrentar uma eventual chegada em massa de migrantes, anunciou na sexta-feira a ministra do Interior, Roumiana Batchvarova.

Na vizinha Macedónia (FYROM), há mais de oito meses que 15 famílias que fugiram das guerras na Síria e Iraque também permanecem bloqueadas no campo de Tabanovce, na fronteira com a Sérvia.

Estes refugiados afirmam que não pretendem solicitar asilo na Macedónia, pelo facto de familiares já estarem instalados na Alemanha, mas não podem seguir viagem devido ao encerramento das fronteiras.

Ler mais

Exclusivos