Tempestade tropical Nate faz pelo menos 22 mortos na América Central

Tempestade poderá transformar-se em furacão no sábado

Pelo menos 22 pessoas morreram devido à tempestade tropical Nate que assola a América Central - das quais sete na Costa Rica - e que tem provocado chuvas torrenciais na região, noticiaram esta sexta-feira as agências noticiosas.

As previsões indicam que a tempestade, localizada no Caribe da Nicarágua, irá deslocar-se para norte na zona caribenha da América Central e México, e poderá transformar-se num furacão no sábado.

O governador do Louisiana, John Bel Edwards, declarou estado de emergência do Estado, em antecipação da chegada da tempestade tropical, tendo as autoridades ordenado a evacuação de áreas costeiras.

Edwards adiantou que 1.300 militares da Guarda Nacional estão a ser mobilizados, e alertou a população para se prepararem para fortes chuvas, tempestade e vento forte, antecipando um "sábado negro".

Em Nova Orleães, as autoridades informaram que seis plataformas petrolíferas foram evacuadas no Golfo do México.

O Centro Nacional de Furacões norte-americano alertou que a tempestade tropical poderá provocar grandes inundações, à medida que as chuvas atravessarem as Honduras.

Na Nicarágua, a tempestade tropical Nate sucedeu a duas semanas de intensa pluviosidade que deixou o terreno saturado e os rios no seu nível máximo. As autoridades colocaram todo o país em alerta devido à possibilidade de inundações e deslizamento de terras.

A vice-presidente e porta-voz da Nicarágua, Rosario Murillo, informou que pelo menos 15 pessoas morreram no país em consequência da intempérie, sem avançar detalhes.

Adiantou que duas mulheres e um homem que trabalhavam no Ministério da Saúde desapareceram num canal inundado no centro do município de Juigalpa. As escolas foram todas encerradas.

Por sua vez, as autoridades da Costa Rica divulgaram que sete pessoas morreram no país devido à tempestade, estando outras 15 desaparecidas.

Pelo menos 5 mil pessoas foram transferidas para abrigos de emergência.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.