Tempestade já matou 9 pessoas na Europa. Comboios e aviões pararam

No leste germânico o telhado de uma escola foi arrancado pelo vento

A violenta tempestade Friederike já provocou nove mortos na Europa, dos quais seis na Alemanha, onde o principal tráfego ferroviário foi esta quinta-feira totalmente suspenso pela companhia Deutsche Bahn.

A última vez que a Deutsche Bahn tomou uma decisão destas foi em 2007, quando uma outra tempestade, designada Kyrill, se abateu sobre o país.

Depois de ter paralisado o tráfico ferroviário na parte ocidental da primeira economia europeia, a tempestade dirigiu-se para o leste, com ventos superiores a 130 quilómetros por hora, especificaram os serviços meteorológicos.

O telhado de uma escola, onde ainda estavam crianças, foi arrancado por uma rajada de vento, no Estado da Turíngia, no leste do país, mas não provocou feridos.

No maciço montanhoso do Harz, no centro da Alemanha, as rajadas atingiram os 203 quilómetros por hora, o que nunca se tinha visto no país.

Antes, esta tempestade, proveniente do Mar do Norte, provocara numerosas perturbações nos Países Baixos, onde só hoje à noite alguns comboios retomaram o serviço, e na Bélgica.

A circulação dos comboios de alta velocidade Thalys, que liga França, Bélgica, Países Baixos e Alemanha, foi interrompida na parte seguinte a Bruxelas.

A tempestade também impediu os aviões de levantarem voo no aeroporto Amesterdão-Schiphol, durante a manhã. No total foram anulados 2330 voos. Vários voos também foram anulados nos aeroportos alemães de Dusseldorf, no oeste, e Munique, no sul.

Na Alemanha, morreram seis pessoas, entre as quais dois bombeiros, em acidentes provocados pelo mau tempo.

Um homem de 59 anos foi morto pela queda de uma árvore em Emmerich-Elten, no Estado da Renânia do Norte -- Vestefália e um condutor de um veículo pesado morreu em resultado de um acidente rodoviário, informou a polícia estadual.

Neste mesmo Estado, um bombeiro morreu durante uma intervenção e um outro também faleceu na Turíngia.

Em Brandeburgo, perto de Cottbus, 120 quilómetros a sul de Berlim, um condutor de um camião, surpreendido por uma rajada, morreu na estrada e uma automobilista, de 61 anos, faleceu depois de ter perdido o controlo do veículo e embater num veículo pesado, no Estado de Mecklembourg -- Pomerânia, no leste.

Nos Países Baixos, dois homens de 62 anos cada um, foram mortos por quedas de árvores, em Zwolle, no nordeste, e Enschede, no leste. Uma automobilista na Bélgica morreu por uma árvore ter caído em cima da sua viatura, na zona sul de Bruxelas.

A circulação rodoviária também esteve perturbada, em particular nos Países Baixos, onde 66 camiões foram virados pelas rajadas de vento -- um recorde desde 1990 -, provocando engarrafamentos monstros, segundo a agência da circulação rodoviária.

Na Alemanha, as provas de qualificação contando para o campeonato do mundo de salto de esqui, em Oberstdorf, no sul, tiveram de ser anuladas.

Numerosos passageiros bloqueados nas gares alemãs "vão receber títulos para o hotel ou podem passar a noite nos comboios", adiantou um porta-voz da Deutsche Bahn, Achim Strauss.

"Temos de proteger os nossos viajantes e o nosso pessoal", acrescentou, na cadeia de informação NTV, sem conseguir prever quando é que o serviço regressa à normalidade.

Em França, a tempestade também fez estragos, com cerca de três mil clientes privados de eletricidade no norte do país, onde o alerta para ventos violentos foi levantado durante a manhã.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.