"Temos de separar o circunstancial do estrutural na relação com os EUA"

MNE afirma que Portugal tem especial interesse em acentuar a relação com os EUA, mesmo em tempos difíceis. Entrevista em Washington, antes do encontro de Marcelo com Trump

Uma relação para tempos difíceis - será assim entre Portugal e EUA? É o que esperam os milhares de portugueses e lusodescendentes dos EUA e os empresários cada vez em maior número que fazem negócios através do Atlântico. E é também a convicção do ministro dos Negócios Estrangeiros, que reuniu com o secretário de Estado Mike Pompeo, na visita que antecedeu a do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, que chega amanhã a Washington para um encontro com Donald Trump. "Temos de separar o circunstancial do estrutural", disse Augusto Santos Silva, na conferência Enduring Alliances, organizada pela FLAD e a Universidade de Georgetown. Um exercício de paciência a que Portugal e os aliados americanos estão obrigados nestes momentos complexos.

É, hoje, possível melhorar a relação Portugal-EUA?

Sim, se soubermos distinguir o circunstancial do estrutural. Seria inacreditável ignorar a profundidade das divergências entre a administração americana e os países europeus, incluindo o Reino Unido. Em comércio internacional, em relação às prioridades que definimos. Um europeu diz coisas como: se queremos perceber os problemas de segurança de um país como a Nigéria, temos de partir das alterações climáticas - é a luta por acesso a recursos cada vez mais escassos em função do contexto ambiental. Os norte-americanos têm uma visão diferente. Mesmo em segurança, a visão que nos parece demasiado contabilística compara com a posição na Europa de construir segurança apoiando o desenvolvimento.

Então, que fazer?

Não podemos esquecer que divergências de circunstância não afetam o laço histórico. É preciso distinguir os aliados, e as rivalidades que podem ter, e os adversários. O primeiro inimigo que todos temos são as redes terroristas internacionais.

Para Portugal o que é fundamental nesta relação neste momento?

Sublinhar a riqueza da agenda bilateral - dimensão energética, económica, científica, de comunidades com cada vez maior visibilidade. E a nossa posição bilateral. É muito distinta daqueles que já dizem que o laço transatlântico é coisa do passado e temos de nos habituar que já não podemos confiar nele.

Portugal, no fundo, até pode ser beneficiado pelo pendor mais "bilateral" e menos coletivo da política externa da administração Trump...

Não... Na agenda da relação entre UE e EUA estamos do lado da UE. Somos, aliás, dos que insistimos que o tempo é de acentuar a importância vital do laço transatlântico e não diminuí-lo. Não só a única estrutura de defesa coletiva é a NATO como a aliança política entre Canadá e EUA e os outros parceiros do mar é essencial para quem acredita numa ordem internacional baseada em regras. É óbvio que há troca de pontos de vista sobre questões regionais sobre as quais Portugal tem informações que os EUA estão interessados em conhecer. O conselheiro de Segurança quis saber sobre a Venezuela, a Turquia... A nossa relação bilateral tem caminho para crescer.

Estas semanas têm sido complexas... imigração, direitos humanos nos EUA. Houve conversas sobre esse assunto?

Não. No debate quinzenal foi dito que a posição portuguesa era de condenação sem ambiguidade. Mas não foi tema de conversa. O tempo é precioso nestes encontros, não falamos sobre assuntos em que estamos 100% de acordo, nem 0% de acordo, não adianta nada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."