Temer ratifica lei que facilita vistos de entrada no Brasil a estudantes da CPLP

As novas regras estão em vigor a partir do próximo dia 1 de maio

O Presidente do Brasil, Michel Temer, ratificou hoje durante uma cerimónia no Palácio do Planalto, em Brasília, um acordo que facilita a aquisição de vistos para estudantes nascidos nos países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

"Com este instrumento estamos facilitando a circulação dos estudantes da CPLP. É uma medida que favorecerá o desenvolvimento económico, educacional, técnico e social de outros países", disse na cerimónia, que reuniu embaixadores e integrantes da Rede de Mulheres da Assembleia Parlamentar da CPLP.

"No cenário internacional, há uma tendência isolacionista, mas nossa resposta é mais integração, mais cooperação e mais diálogo. O Brasil abre-se ao mundo com maior significação (...) Na busca de um futuro melhor, mais particularmente para o mundo lusófono, nada mais auspicioso do que facilitar a circulação dos nossos jovens", acrescentou o Michel Temer.

O chefe de Estado brasileiro também exaltou a diversidade dos cidadãos dos países de língua portuguesa afirmando que espera que os jovens da comunidade sejam "líderes do respeito a diversidade e da tolerância, que são marcas do Brasil e de todos os integrantes da CPLP".

O acordo para facilitar a obtenção de vistos estudantis no Brasil foi aprovado no ano passado pelo Senado (câmara alta parlamentar), e já tinha sido ratificado noutros países da CPLP como Portugal, Cabo Verde e Timor-Leste.

As novas regras estão em vigor a partir do próximo dia 1 de maio.

O Brasil assumiu a presidência rotativa da CPLP em outubro do ano passado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.