Michel Temer preferia Lula derrotado nas eleições a vê-lo afastado pela justiça

Tribunal aumentou pena do ex-presidente de nove anos e meio para doze anos e um mês de prisão. "Morto ele não está", diz atual presidente

O Presidente do Brasil, Michel Temer, disse hoje que preferia ver Lula da Silva derrotado nas eleições, em vez de afastado judicialmente da corrida, considerando que isso pacificaria o país.

"Quando eu examino o quadro político, pessoalmente apreciaria que ele [Lula da Silva] não tivesse estas responsabilizações todas, que pudesse disputar a eleição e fosse vencido no voto porque isto pacificaria o país", disse Michel Temer em entrevista à Rádio Bandeirantes.

Considerando a sua figura "muito carismática", Temer acrescentou que ele é um nome importante na cena política brasileira: "morto [politicamente] ele não está".

A declaração do atual Presidente do Brasil tem relação direta com a condenação imposta em segunda instância contra Lula da Silva na última quarta-feira por três juízes do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4), que aumentaram a pena de nove anos e meio para doze anos e um mês de prisão.

O ex-Presidente brasileiro foi novamente considerado culpado no julgamento de um processo relacionada a Operação Lava Jato no qual era acusado de receber um apartamento de luxo como suborno da construtora OAS em troca de favorecer a empresa em contratos com estatal petrolífera brasileira Petrobras.

A sentença pode impedir as aspirações políticas de Lula da Silva porque o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não deve aceitar sua candidatura já que a lei eleitoral do país proíbe candidatos com condenação em segunda instância.

Lula da Silva, que lidera todas as pesquisas da intenção de voto, poderá apresentar novos recursos judiciais para registar a candidatura mas vários juristas brasileiros têm dito publicamente que as hipóteses de sucesso são muito baixas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.