Televisão pública japonesa emite por engano alerta de míssil norte-coreano

A estação televisiva disse que a informação incorreta resultou de um erro de um elemento da equipa que estava a trabalhar no sistema de alerta para notícias online

A televisão pública japonesa emitiu hoje por engano um alerta aos cidadãos de lançamento de um míssil norte-coreano, instando-os a procurarem imediatamente refúgio, e só alguns minutos depois corrigiu a informação, dias após um erro semelhante no Hawai.

A estação televisiva NHK difundiu a mensagem na sua página na Internet e serviço noticioso para telemóveis, e também na rede social Twitter, dizendo que aparentemente a Coreia do Norte tinha disparado um míssil contra o Japão e que o Governo estava a aconselhar as pessoas a procurarem abrigo.

"A Coreia do Norte parece ter disparado um míssil", noticiou a NHK, acrescentando que tinha sido emitido um aviso governamental: "O Governo: Procurem refúgio dentro de edifícios e em caves".

O falso alarme ocorreu apenas alguns dias depois de a Agência de Gestão de Emergências do Estado norte-americano do Hawai ter enviado um alerta de míssil norte-coreano para telemóveis de todo o Estado, desencadeando o pânico.

A NHK disse que a informação incorreta resultou de um erro de um elemento da equipa que estava a trabalhar no sistema de alerta para notícias 'online', mas não forneceu mais pormenores.

Limitou-se a apagar o 'tweet' e o texto do alerta ao fim de vários minutos, enviar uma correção e pedir diversas vezes desculpa na emissão noticiosa e noutros programas.

"O 'flash' foi um erro. Pedimos muita desculpa", disse a estação japonesa.

No Japão, a tensão relativamente a testes de mísseis norte-coreanos tem aumentado à medida que eles se aproximam das costas japonesas.

A NHK e outros órgãos de comunicação social do país geralmente emitem alertas para cada teste balístico, e o Governo emitiu avisos sempre que os mísseis entraram em espaço aéreo nipónico.

O Japão está também a aumentar a sua capacidade de interceção de mísseis e a realizar em todo o país simulações de ataque com mísseis, nas quais os habitantes, incluindo crianças em idade escolar e pessoas idosas, se dirigem para centros comunitários, protegem a cabeça e se agacham no chão. Está prevista uma grande simulação na baixa de Tóquio na próxima semana.

Ao contrário do falso alarme do Hawai, o alerta da NHK não continha a frase "Isto não é uma simulação", e a TV japonesa conseguiu corrigir o erro alguns minutos depois, ao passo que as autoridades havaianas demoraram 40 minutos a retirar o alerta.

A agência havaiana já mudou os seus protocolos para exigir que duas pessoas enviem um alerta e tornou mais fácil o cancelamento de um falso alarme.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.