Televisão pública ensina como tapar marcas de violência doméstica com maquilhagem

Programa de televisão ensinava as mulheres a disfarçarem as marcas de agressão para poderem "seguir com as rotinas diárias"

A televisão pública de Marrocos viu-se obrigada a pedir desculpas esta sexta-feira, após ter sido muito criticada por exibir um segmento em que ensinava as mulheres a esconderem marcas de violência doméstica com maquilhagem.

Poderia tratar-se de um tutorial de maquilhagem normal, mas não era. A modelo do segmento de dicas de beleza do programa diário da manhã Sabahiyat tinha sido previamente maquilhada para parecer que tinha sido agredida e exibia marcas roxas na face e à volta dos olhos.

A maquilhadora ensinava, então, em direto como disfarçar as nódoas negras e marcas de agressões, enquanto sugeria as melhores marcas de bases e corretores para os dias em que é necessária uma maior quantidade de cosméticos.

"Certifiquem-se de que usam pó para fixar a maquilhagem, para se tiverem de trabalhar durante o dia as nódoas negras não apareçam", disse a apresentadora do Sabahiyat, exibido no canal 2M, segundo a BBC .

"Esperamos que estas dicas de beleza vos ajudem a seguir com as vossas rotinas diárias", concluiu a apresentadora no final do segmento. O programa foi ao ar dia 23, dois dias antes do Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, e a escolha do canal até pela proximidade da data está a ser muito criticada.

As imagens foram publicadas nas redes sociais e o público acusa a televisão 2M de querer passar a imagem de que a violência doméstica é normal e aceitável. Foi criada uma petição online com o título "Não escondam a violência doméstica com maquilhagem" que defende que o canal e o programa devem ser punidos.

"Denunciamos a mensagem de normalização da violência contra mulheres", diz o texto da petição, que conta com pouco mais de duas mil assinaturas. "A violência não devia ser escondida com maquilhagem e os agressores deviam ser condenados", continua a petição.

Nas redes sociais, várias pessoas expressaram o seu desagrado, principalmente pelo facto de os programas da televisão pública serem vistos por milhões de telespetadores. "Em Marrocos, educação sobre a violência doméstica não é ensinar os homens a deixarem de ser agressivos, é ensinar as mulheres a usarem maquilhagem", criticou uma utilizadora no Twitter.

O canal público 2M pediu "sinceras desculpas" e tirou o vídeo do programa do seu site. O emissor descreveu num comunicado pelo Facebook as imagens como "completamente inapropriadas" e prometeu tomar medidas contra os responsáveis pelo programa.

25 de novembro foi declarado pela ONU como o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres. Segundo dados das Nações Unidas, 70% das mulheres são vítimas de violência em algum momento da sua vida, devido em parte às desigualdades de género.

Em Portugal, a Associação Portuguesa de Apoio à Vítimas revelou que recebeu uma média de 49 queixas de violência doméstica por dia, entre 2013 e 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.