Imagens inéditas da visita de Kim Jong-un a Pequim

A televisão norte-coreana difundiu na quinta-feira uma reportagem da visita de Kim Jong-un a Pequim, que inclui imagens do comboio blindado que transportou o líder do país e da reunião com o Presidente chinês, Xi Jinping.

O trabalho de 40 minutos oferece detalhes até agora desconhecidos sobre a visita de Kim à China - a sua primeira deslocação ao estrangeiro desde que ascendeu ao poder, em dezembro de 2011.

As imagens foram captadas por uma equipa da Televisão Central norte-coreana, que viajou num comboio blindado com Kim e uma comitiva de quadros do Partido dos Trabalhadores e seguranças.

Na reportagem, Kim surge sempre acompanhado da sua esposa, Ri Sol-ju, a participar de encontros com emissários chineses, numa sala de reuniões, no interior do comboio, mobilada com uma secretária e sofás cor de rosa.

Kim Jong-un deslocou-se a Pequim no mesmo comboio usado pelo pai, Kim Jong-il, em viagens ao exterior, e composto por 90 carruagens blindadas e equipado com várias salas de reunião e ligações por satélite, segundo a imprensa sul-coreana.

O comboio, cuja chegada a Pequim na segunda-feira suscitou rumores de que Kim Jong-un estava numa visita à China, desloca-se a 60 quilómetros por hora, devido ao seu elevado peso.

A televisão norte-coreana mostra ainda imagens de Kim Jong-un e Xi Jinping, em visitas ao interior da Cidade Proibida, Templo do Céu e à Academia de Ciências da China.

Ambos os líderes surgem sorridentes numa conversa durante um banquete, no qual são projetadas imagens de cimeiras anteriores entre responsáveis de Pyongyang e de Pequim.

Entre as projeções destaca-se a do fundador da República Popular da China, Mao Zedong, com o avô do atual líder norte-coreano, Kim Il-sung, em 1958.

O encontro entre Xi e Kim ocorre antes do líder norte-coreano reunir com o Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e o líder dos Estados Unidos, Donald Trump.

A China é o mais importante aliado da Coreia do Norte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.