Teleférico de estância de esqui na Geórgia projeta pessoas e faz vários feridos

Estrutura que transportava os esquiadores começou a andar ao dobro da velocidade e ao contrário

Estão a ser divulgados nas redes sociais vários vídeos de uma situação dramática que aconteceu numa estância de esqui em Gudauri, na Geórgia. O teleférico avariou, começou a andar ao contrário e alta velocidade, alegadamente o dobro da normal, projetando várias pessoas e fazendo pelo menos dez feridos.

Alguns esquiadores disseram a CNN que tiveram que escolher saltar do teleférico para evitar uma colisão que poderia causar danos muito mais graves. Yuri Leontyev, bielorrusso de 32 anos, disse à cadeia de televisão que teve de "saltar" porque "no fim da colina não havia hipótese de ficar a salvo".

O órgão estatal responsável por vários resorts informou que os feridos foram levados para a clínica da estância e que três equipas e ambulâncias foram levadas ao local.

"De acordo com a informação inicial o teleférico parou de funcionar e as cadeiras começaram a bater umas nas outras com as pessoas suspensas no ar, causando ferimentos de gravidade média. Como resultado, dados preliminares dizem que 10 pessoas ficaram feridas", disse o mesmo órgão em comunicado.

A construtora do teleférico já foi contactada para investigar as causas do acidente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.