Taxistas de Barcelona em greve por tempo indeterminado

Os taxistas de Madrid juntam-se ao protesto para reivindicar a limitação das licenças de VTC, a designação para aluguer de veículos com condutor, usadas pela Uber e Cabify

Em Barcelona, o caos instalado no trânsito promete durar. Os taxistas catalães, concentrados na Gran Via, onde passaram a noite acampados, decidiram este sábado manter a greve por tempo indeterminado. Um protesto que reivindica a limitação das licenças VTC, designação para aluguer de veículos com condutor, usadas pela Uber e Cabify. Uma greve à qual se juntam agora os taxistas de Madrid.

Na sexta-feira, os taxistas cortaram a Gran Via, uma das principais artérias da cidade, depois de o Tribunal Superior da Catalunha manter a suspensão dos regulamentos da Área Metropolitana de Barcelona que restringem as licenças VTC. Prometem manter o protesto até que o Ministério do Fomento aceite as suas reivindicações. Os taxistas mantêm-se, por isso, parados numa das mais movimentadas avenidas da cidade, provocando o caos no centro da capital catalã, com o trânsito a ser desviado para outras artérias da capital da Catalunha.

Greve dos taxistas de Madrid condiciona trânsito na capital

Um protesto que ganha agora mais força com a adesão dos taxistas de Madrid. Em solidariedade com os colegas de Barcelona, três organizações que representam os taxistas da capital espanhola anunciaram uma greve espontânea. "Neste momento não há táxis em Madrid", afirma Julio Sanz, presidente da Federação Profissional do Táxi de Madrid, à agência espanhola Efe. Os motoristas acordaram, no entanto, manter serviços mínimos, de forma gratuita, para pessoas com mobilidade reduzida, grávidas, famílias com bebés e casos de urgência.

"É um dos fins de semana com mais trabalho, mas estamos a apostar no futuro"

De acordo com o El País , o protesto também está a condicionar a circulação automóvel em Madrid com a saída de vários táxis ao mesmo tempo, que percorrem as principais artérias da cidade, provocando inúmeros atrasos. Isto numa altura em que muitos madrilenos saem da cidade para iniciarem as férias de verão.

"É um dos fins de semana com mais trabalho, mas estamos a apostar no futuro. Não é lógico que uma licença de táxi custe 140 mil euros e que uma de VTC não custe mais de 48 euros", disse um responsável da Élite Madrid Taxi ao diário espanhol.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.