Taxistas de Barcelona em greve por tempo indeterminado

Os taxistas de Madrid juntam-se ao protesto para reivindicar a limitação das licenças de VTC, a designação para aluguer de veículos com condutor, usadas pela Uber e Cabify

Em Barcelona, o caos instalado no trânsito promete durar. Os taxistas catalães, concentrados na Gran Via, onde passaram a noite acampados, decidiram este sábado manter a greve por tempo indeterminado. Um protesto que reivindica a limitação das licenças VTC, designação para aluguer de veículos com condutor, usadas pela Uber e Cabify. Uma greve à qual se juntam agora os taxistas de Madrid.

Na sexta-feira, os taxistas cortaram a Gran Via, uma das principais artérias da cidade, depois de o Tribunal Superior da Catalunha manter a suspensão dos regulamentos da Área Metropolitana de Barcelona que restringem as licenças VTC. Prometem manter o protesto até que o Ministério do Fomento aceite as suas reivindicações. Os taxistas mantêm-se, por isso, parados numa das mais movimentadas avenidas da cidade, provocando o caos no centro da capital catalã, com o trânsito a ser desviado para outras artérias da capital da Catalunha.

Greve dos taxistas de Madrid condiciona trânsito na capital

Um protesto que ganha agora mais força com a adesão dos taxistas de Madrid. Em solidariedade com os colegas de Barcelona, três organizações que representam os taxistas da capital espanhola anunciaram uma greve espontânea. "Neste momento não há táxis em Madrid", afirma Julio Sanz, presidente da Federação Profissional do Táxi de Madrid, à agência espanhola Efe. Os motoristas acordaram, no entanto, manter serviços mínimos, de forma gratuita, para pessoas com mobilidade reduzida, grávidas, famílias com bebés e casos de urgência.

"É um dos fins de semana com mais trabalho, mas estamos a apostar no futuro"

De acordo com o El País , o protesto também está a condicionar a circulação automóvel em Madrid com a saída de vários táxis ao mesmo tempo, que percorrem as principais artérias da cidade, provocando inúmeros atrasos. Isto numa altura em que muitos madrilenos saem da cidade para iniciarem as férias de verão.

"É um dos fins de semana com mais trabalho, mas estamos a apostar no futuro. Não é lógico que uma licença de táxi custe 140 mil euros e que uma de VTC não custe mais de 48 euros", disse um responsável da Élite Madrid Taxi ao diário espanhol.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.