Tamimi diz que vai estudar Direito para continuar a resistir a Israel

Ahed Tamimi, a palestiniana libertada neste domingo da prisão por Israel, afirmou que vai continuar a defender os palestinianos e a resistir aos israelitas. Mas sem ser à bofetada e ao pontapé, como tinha feito até agora.

"Vou continuar os meus estudos universitários e vou estudar Direito para poder levar a causa do meu país a todos os fóruns internacionais e para poder representar a causa dos prisioneiros", declarou Tamimi, de 17 anos.

"A prisão ensinou-me muitas coisas e consegui perceber a maneira certa de transmitir a mensagem da minha terra natal", acrescentou, em conferência de imprensa, depois de ter sido libertada da prisão, juntamente com a mãe, Narimane.

Antes disso, ambas tinham sido recebidas pelo presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas. O líder palestiniano considerou a jovem como "um modelo de resistência pacífica civil... mostrando ao mundo que o povo palestiniano irá manter-se firme, de forma constante na sua terra, não importa qual o sacrifício que tenha de fazer".

Tamimi e a mãe foram transferidas da prisão de Sharon, em Israel, para a Nabi Saleh, na Cisjordânia, onde residem.

De ombros cobertos com um keffiyeh, lenço símbolo da resistência palestina, a jovem agradeceu as boas-vindas e afirmou: "A resistência vai continuar até que a ocupação termine."

Tamimi foi presa em 19 de dezembro de 2017, alguns dias depois de protagonizar um vídeo que se tornou viral e no qual surge a discutir com um soldado israelita, esbofeteando-o e pontapeando-o.

Enquanto os palestinianos a veem como uma heroína, Israel diz que é instrumentalizada pela família. Detida quando ainda tinha 16 anos (desde os oito que participa em protestos contra Israel) viu-lhe ser aplicada uma pena de oito meses de cadeia, depois de se ter dado como culpada.

O processo de paz israelo-palestiniano, que visava, em última análise, conduzir à criação de dois Estados vivendo lado a lado e em paz (Israel e Palestina), está em ponto morto. O apoio incondicional do presidente dos EUA, Donald Trump, ao governo israelita de Benjamin Netanyahu, não tem facilitado o reinício das negociações.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.