Tailândia quer proibir muay thai a menores de 12 anos depois de morte

Ministro do Desporto estará a preparar uma reforma da lei sobre o muay thai, o boxe tailandês.

A Tailândia quer proibir a prática da arte marcial mais popular naquele país a menores de 12 anos e obrigar ao uso de proteções até aos 15, depois da morte de um jovem de 13 anos no sábado.

De acordo com os 'media' locais, o ministro do Desporto está a preparar a reforma da lei que incide sobre o boxe tailandês, o muay thai.

"O ministério vai acelerar o processo para ser apresentado ao Governo o mais rápido possível", disse Weerasak Kowsurat, citado pelo jornal Bangkok Post.

Atualmente, a lei tailandesa não estabelece nenhuma idade mínima para a participação de crianças e jovens em lutas de boxe e apenas recomenda que os menores de 15 anos devem combater com proteções.

Anucha Thasako, de 13 anos, morreu de uma hemorragia cerebral durante uma luta no sábado, um evento de caridade dentro do templo de Samut Prakan, nos arredores de Banguecoque.

O menor foi atingido por um soco na terceira ronda e foi levado para o hospital, onde acabou por morrer.

De acordo com a imprensa local, Anucha treinava boxe tailandês desde os oito anos e já tinha participado em de cerca de 170 lutas.

O boxe tailandês é um dos desportos mais populares na Tailândia, praticado por milhares de crianças, a maioria delas oriundas de famílias pobres que lutam para obterem mais rendimentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.