Tailândia. Bombas de água falharam depois do último resgate

Três mergulhadores contam que ouviram gritos quando o nível da água começou a subir dentro da gruta

Depois de 18 dias presos na gruta, os 12 rapazes e o treinador de futebol foram resgatados, na terça-feira ao final da manhã (hora de Portugal), mas a operação de salvamento enfrentou esteve perto de ser um desastre. Segundo o The Guardian, a principal bomba de extração de água falhou algumas horas após a evacuação, fazendo subir rapidamente o nível da água.

De acordo com o jornal britânico, os mergulhadores e as equipas de resgate ainda estavam a mais de quilómetro e meio da saída da gruta, a limpar o equipamento, quando a bomba principal falhou, elevando os níveis da água.

Três mergulhadores australianos, que pediram anonimato, contam que, quando se encontravam na "câmara três", uma base dentro da gruta, ouviram gritos e viram tochas a agitar-se, enquanto os trabalhadores tentavam encontrar solo seco.

"Os gritos começaram porque as bombas principais falharam e a água começou a subir", disse um dos mergulhadores.

Segundo os relatos, os 100 trabalhadores que se encontravam na gruta correram apressadamente para a saída e conseguiram sair aproximadamente uma hora depois. A viagem entre a câmara três e a saída, que inicialmente demorava cerca de quatro a cinco horas, foi reduzida a menos de uma hora graças a uma semana a bombear água para fora da gruta e à limpeza de lemas feita pela equipa de salvamento.

Recorde-se que os 12 rapazes, entre os 11 e os 16 anos, e o treinador, de 25, foram explorar a gruta depois de um jogo de futebol no dia 23 de junho. Na altura, as inundações resultantes das monções bloquearam-lhes a saída e impediram que as equipas de resgate os encontrassem durante nove dias, uma vez que o acesso ao local só era possível via mergulho através de túneis escuros e estreitos, cheios de água turva e correntes fortes.

Os jovens ficaram presos a cerca de quatro quilómetros da entrada da gruta, num complexo de túneis com zonas muito estreitas e alagadas pelas chuvas da monção que afetaram a zona, o que obrigou a que parte do percurso tivesse que ser feito debaixo de água e sem visibilidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.