Suu Kyi tem "última oportunidade" para deter ofensiva contra 'rohingyas'

António Guterres instou a líder de Myanmar a agir perante a limpeza étnica da minoria

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse hoje que a líder de facto birmanesa, Aung San Suu Kyi, tem "a última oportunidade" de deter a ofensiva armada que obrigou milhares de 'rohingyas' a fugir da violência.

Numas declarações à BBC hoje divulgadas, Guterres afirmou que, se a Nobel da Paz não atuar "a tragédia será absolutamente horrível", depois de milhares de 'rohingyas' terem fugido para o Bangladesh para escapar à violência na Birmânia (Myanmar).

Segundo o secretário-geral da ONU, a líder de facto tem a última oportunidade de deter a ofensiva durante um discurso que está previsto fazer ao país na terça-feira.

"Se ela não reverte a situação agora, então creio que a tragédia será absolutamente horrível e desafortunadamente não vejo como isto possa modificar-se no futuro", adiantou Guterres, defendendo que se deveria deixar os 'rohingyas' voltar para casa.

A ONU advertiu que a ofensiva armada pode ser considerada como uma limpeza étnica.

Os mais de 400.000 'rohingyas' que chegaram ao Bangladesh a fugir da violência na Birmânia instalaram-se em campos improvisados ultra ocupados, enquanto as autoridades impõem restrições aos seus movimentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".