Suspensos mais de 12 mil polícias na Turquia por alegadas ligações a Gulen

Polícias suspensos terão alegadas ligações a Fetullah Gulen, que o Governo turco considera responsável pelo golpe de Estado falhado

As autoridades turcas decidiram suspender mais de 12 mil polícias por alegado vínculo a redes da organização liderada por Fetullah Gulen, que Ancara acusa de estar por detrás do golpe militar falhado de julho, avança hoje o jornal Haberturk.

O diário, próximo do Governo turco, indicou que a decisão foi tomada pouco depois da meia-noite e será transmitida hoje aos polícias implicados, que estão divididos pelas 81 províncias do país.

No entanto, o maior número concentra-se em Ancara (1.350), Izmir (570), Diyarbakir (650) e Hakkari (350).

Entre os agentes suspensos há vários altos cargos, acrescenta o jornal, que explica que a Direção de Segurança investigará cada um deles e que serão despedidos se se verificar o seu vínculo à irmandade de Gulen.

Segundo informou recentemente o ministro turco da Justiça, Bekir Bozdag, nos dois meses e meio que passaram desde o golpe fracassado de 15 de julho, cerca de 70 mil pessoas foram suspensas dos seus cargos, a maioria públicos, e 35 mil foram detidas ao abrigo da lei do estado de emergência.

Bozdag explicou que estas medidas foram tomadas no âmbito das investigações judiciais para apurar as responsabilidades pelo golpe.

O Conselho de Ministros da Turquia decidiu, na terça-feira, prorrogar por mais 90 dias o estado de emergência proclamado a 20 de julho.

O Presidente, Recep Tayyip Erdogan, declarou na quinta-feira que pode ser necessário alargar esta situação "até 12 meses" para combater a rede de simpatizantes de Gulen, que vive nos Estados Unidos desde 1999, motivo pelo qual Ancara pediu a Washington a sua extradição.

Ao abrigo do estado de emergência, o Governo tem poder para emitir decretos com força de lei, suspender liberdades e direitos fundamentais, impor obrigações financeiras e laborais aos cidadãos e conferir poderes especiais aos funcionários, sem que estas decisões possam ser recorridas junto da Justiça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.